Ocorreu um erro neste dispositivo

Há quanto tempo!!!

22/09/12




É verdade. Desde aquela vez de finais de Julho, enquanto uns suavam em vez de mim ou por mim ou na minha ausência, no tal campeonato maravilhoso do mundo da distância longa na, pelos vistos, bela cidade basca de Vitória-Gasteiz, eu corava de vergonha num percurso de três voltas do campeonato xco da Associação de Ciclismo do Minho. Sim, corava porque até os primeiros putos do escalão de iniciados me passaram a perna. Enfim. A tareia foi tanta que desde então nunca mais havia pegado naquela "cabra". 
Mas o apetite já havia regressado e hoje foi dia de rever trilhos que como podem constatar entram-me pela porta adentro, tal a provocação a que estou sujeito. Aliás, no fim de semana passado tive outra prova cujo traçado passava tão perto da minha porta que estive à conversa com algum pessoal do metiêr de portão aberto e a ouvir as provocações de alguns conhecidos. Nã! Não estava para outra humilhação mas mais, hoje pude constatar que isto está mesmo no começo, muito embora, meus caros, se se trata de BTT preparem-se!!! porque a cena é dura, muito dura e em competição pura de xco convém mesmo realizar treinos específicos de técnica (os drops metem respeito), resistência, potência, conhecer bem as desmultiplicações certas para os trilhos que irão ser percorridos...Basta um senão para...já foste. E depois há aquela coisa da proprioceptividade, isto é, a sensibilidade muscular ao movimento específico da modalidade, que se adquire fazendo. "Mai nada". 


Mas, hoje estava com saudades. Claro! Uma frequência cardíaca média de 83%, para uma velocidade média de pouco mais de 14 kms/hra, para um acumulado de 838 mtrs, tudo em pouco mais de duas horas. Digamos que uma pequena tareia para quem já não sentia a tremedeira dos braços há tanto tempo. O btt tem para mim uma importância significativa na cena do triatlo porque tenho uma paixãozinha ou zona, não sei ainda bem. pelo X-Terra, dentro da modalidade. Não tenho feito nada de especial, é bem verdade. Mas quero estar preparado para quando surgir a oportunidade. Tenho em mente participar num desses campeonatos da Europa. Depois, não me esqueço que o momento em que estive em melhor condição no segmento de ciclismo foi precisamente quando ia fazendo umas maratonas xco.

Uma nota: amanhã terá lugar a Maratona 5 Cumes, Barcelos, um dos maiores cartazes do Minho na modalidade, com um preço muito acessível e valiosos brindes. Acontece que uma vez mais não irei participar. Houve sempre razões, desta vez também as  há e a má condição é quase exclusiva. É que nesta fase, ainda pretendo ser eu o gestor dos meus empenos.  

Seja como for, uma manhã bem passada. Companheiros, abraços triatléticos.




Reflexão XIII

20/09/12




Estou espantado com este blogue! Imagino-me desse lado e não teria certamente a mesma paciência que os leitores e/ou visitantes têm tido para com este meio naíf espaço. Um mês passou desde que manifestei publicamente alguns tópicos da minha reflexão para com a situação de Lance Armstrong, enquanto atleta profissional  (que parece vão deixá-lo voltar à competição-triatlo um destes dias). Desde então terei retornado muito raramente, nas últimas três semanas, nenhuma vez. Que dizer? Sinto uma dívida para convosco, todos aqueles que aqui têm vindo e por isso irei procurar dar ao blogue a atenção devida e merecida. Claro! preparem-se para alguns dos disparates do costume. Não há bela sem senão. 
Mas, não me chega apenas agradecer a vossa boa companhia e estímulo, que o acaba por ser. Devo-vos também uma explicação para esta minha longa ausência. Na realidade, há duas justificações; a primeira é que é tudo mais do mesmo. Isto é, continuo impedido de correr. Mesmo após uma longa paragem, intercalada por algumas tentativas, brevíssimas de 2', nalgumas ocasiões, mas que me deram logo a certeza de que não poderia ir mais longe. Já lá irei. A segunda justificação é que tudo isto me tem tirado a motivação para qualquer coisa que tenha a ver com treino, provas e escrever sobre isso, claro está. Ainda há uma meia terceira justificação; esperava os resultados do conjunto dos exames que entretanto decidi fazer. Sim, reafirmo decidi, porque perante a falta de respostas dos clínicos especializados e não especializados, mas especialmente aqueles, me têm dado, e perante a minha  procura incessante de respostas, fui ter com o médico de recurso e pedi-lhe as requisições para os exames que entretanto julguei poderem ajudar-me. Portanto, já poderia ter escrito sobre isso, mas...adiante.
Conclusões: apenas a ressonância magnética deu uma resposta concreta - ruptura da vertente interna do músculo solear com um infiltrado sero-hemático inter-aponevrótico adjacente ao gémeo interno. Ufa!!! Só que, esta conclusão é de fim de Agosto e a lesão foi contraída em Junho e eu entretanto fiquei curado. Então, perguntarão, porque não corres? Porque entretanto lesionei-me no gémeo esquerdo após duas simples sessões de sorriso estampado no rosto! Será mais uma daquelas contracturas ou eventualmente uma distensão, mas deste lado eu fico mais, como dizer? confiante, porque o problema grande é e será sempre a perna direita e o seu "terço mérdio". 
Este tempo todo de "reclusão desportiva" serviu para isso mesmo que estais a pensar: reflectir sobre o futuro deste declarado oficialmente responsável-mor da dívida soberana do estado português (que outra coisa se poderá concluir das sucessivas taxas com que nos querem premiar por apenas ser funcionário público? mas, não misturemos carnavais).  Os outros exames, a despistagem metabólica, a electromiografia aos segmentos dos membros inferiores deu tudo dentro dos parâmetros normais. E ainda bem. A questão é que vou continuar a estar sujeito a estes amuos musculares. Logo, o problema estava naquela ruptura, facto que a mim não estranhou uma vez que senti na realidade que algo diferente se havia passado. E em resultado dessa reflexão que falava, há na realidade um processo de mentalização sobre as minhas limitações e sobre a resposta do meu organismo, especialmente da parte músculo-esquelética. Custar-me-ia muito por um ponto final. Não o farei, mas velejarei em função do vento que sopre. Por isso, outras consequências desta reflexão terão lugar e a seu tempo darei conhecimento.

Entretanto, a vida continua e recomecei com os processos de treino que havia estagnado na totalidade dos últimos tempos. O mesmo é dizer que para mim já não há época (afinal, alguma vez houve?), mas a minha já começou. Aliás, para aqueles que me seguem no FB, isto agora é só pedal!! É melhor que GPL.

Companheiros, abraços triatléticos e até breve.