Ocorreu um erro neste dispositivo

As "Loiras" Da Minha Perdição!

31/07/10





Deparo-me com dificuldades para gerir o treino e o tempo de férias, o que é estranho, já que tendo mais tempo livre deveria ser precisamente o inverso, isto é, dispor de mais tempo para treinar. Mas, de facto disponho desse tempo extra. Então, de que me queixo? De falta de tempo ou de excesso de tempo? Vamos lá a decidir, direis vós. Bom, a verdade é que esta espera por "dias melhores" para o saneamento da minha atribulada lesão, faz-me baixar a disciplina do treino. É que não tendo competições no horizonte próximo para participar, vou adiando para amanhã o que poderia ter sido feito hoje ou vou comendo hoje, o que não deveria comer nem hoje, nem amanhã, só daqui a...pois é, afinal falo literalmente de barriga cheia. 
Depois, o calor!! esse "gajo" faz-nos olhar com cuidados redobrados e saliva transbordante para as "loiras" que se cruzam ininterruptamente à nossa frente, quando sossegadinhos estamos numa esplanada por aí, à beira de um riacho por aqui ou ali. Acho mesmo que essas tais "loiras" fazem-no com a intenção clara de nos provocar. Chego mesmo a comparar géneros de sofrimento; qual será o mais penoso? subir uma empena com xis por cento de inclinação e no final do treino dizer para si próprio "estiveste bem, rapaz" ou resistir ao sedutor húmido duns valentes prazeres "imperiais"? Mais; "loiras" nunca andam sós, andam sempre acompanhadas, e bem "acompanhadas". Alguém viu alguma vez uma "loira" transbordante sozinha, por aí? Se viram, é porque era falsa, deve ter saído duma garrafa qualquer e não de um barril forçado a pressão. Ai, tanta e boa companhia que uma "loira" pode ter...Mais, uma "loira" nunca anda sem outra loira. E quando se juntam uma série delas? Parece uma convenção! Não lhe chamo seminário porque pode ter outras conotações. E quando as "loiras" todas deram à sola, mais os respectivos "acompanhantes", ficamos com a certeza de que amanhã, sim, amanhã vai haver uma luta sem tréguas com a bicla. Digo bicicleta porque das três almas a quem temos de prestar contas e rezar o padre nosso pelos pecados cometidos no dia anterior, é sem dúvida o elo mais fraco, a mais condescendente, a não ser que nos leve por caminhos desconhecidos enquanto nos distraímos com a lembrança dos tais prazeres.
É um facto; sou um bom garfo! Essa tem sido a luta mais espinhosa que tenho travado no treino. Convenhamos, mudar hábitos sedimentados não é fácil. 
No ano passado, por estas alturas, na plenitude das minhas faculdades físicas, as "loiras" não me pareciam tão sedutoras. Talvez não trajassem com tão pouca "vestimenta", talvez eu não me focasse tanto nelas. No final duma prova, aceitava que se exibissem à minha frente. Mas era uma relação muito fugaz, descomprometida. Hoje, deixo-me enlear com mais facilidade pelos seus encantos.

Por entre loiras e morenas, lá vou fazendo a minha natação. Preteri a barragem da Aguieira e elegi a praia fluvial de Avô. Um espectáculo nos dias quentes que nos trespassam os poros. O Ciclismo sempre num sobe e desce carrosselíneo, mas é bom, aguça a coisa. Tem é de ser cedinho para acabar aí pelas 10 horas, porque a partir daí entramos em estágio para as ..."Loiras"? Nã, não pode ser...como diz o outro "mama, mas não abuses". Por isso, há tempo para treinar duas vezes por dia quando o lanche não fica "aloirado", porque se fica, quem se atreve a comandar um corpo que nos diz "em pausa de férias"? Eu cá não.

Abraços aloirados.


Alterações ao Calendário de Competições.

26/07/10



Atenção: verificaram-se algumas alterações ao calendário de competições. Façam o favor de consultar o sítio da Federação de Triatlo de Portugal para rectificarem algumas datas das provas agendadas para os próximos dois meses.


Abraços triatléticos.


As últimas Semanas de Treino!




Ainda condicionado por razões músculo-esqueléticas que ainda ninguém me soube explicar, a minha preparação anda assim tipo "banho-maria". Descomprimo da pressão psicológica, resultado da incapacidade para correr (senão é um desatino), desejo manter-me activo sobre duas rodas e à tona da água, na esperança de que a qualquer momento possa regressar aos palcos das competições da modalidade, muito embora a fase mais rica já lá vá, guardo-me para Setembro, depois de banhos de sol e água salgada nos gémeos.  Rejeito, inclusive, participar em outras provas que me são igualmente queridas (BTT, Ciclismo ...) para não piorar as coisas, por um lado, e porque a motivação também não anda para aí virada. Quero esperar, sossegado. Até lá, treina-se, por entre tintas e pinturas e fisioterapia. E não há tempo para mais, mesmo estando de férias. É tão curto um dia de vida!

Para todos, Boas Férias! Quem sabe a gente se veja no aquatlo de Santa Cruz ou no Duatlo de Viseu...quem sabe! 





  






Triatlo de Penacova.

24/07/10



Este fim de semana o palco do triatlo é parco em provas. Porém, não quero deixar passar a oportunidade  de referir o Triatlo de Penacova, que este ano saiu do calendário da Taça de Portugal e passou para o Campeonato Regional Centro. 
Nem por isso deixou de interessar a alguns nomes de destaque da modalidade, mas também dos nomes dos que fazem do triatlo uma festa na sua vida, daí a sua participação regular nas imensas provas que a Federação vai propondo ao longo da época desportiva. Só este facto mereceria um lugar de destaque de quem de direito. Não irei citar nomes, não vale a pena, mas todos sabemos quem realmente são.
Mas, este meu texto vem ao encontro daquele que, em minha opinião, constitui o triatlo na versão sprint mais duro da época. Acredito mesmo que mais difícil que muitas "variantes olímpicas", pese embora as distâncias sejam bem diferentes. Senão vejamos: a natação no rio Mondego não é fácil, dado tratar-se de um rio, cuja densidade da água é baixa, para além da temperatura, fria, também não ajudar muito. Depois, a partida e o percurso é terrível, porque demasiada gente para tão exíguo espaço. Bom, mas nem é este segmento que faz realmente a diferença. As dificuldades começam logo no acesso ao primeiro parque de transição. Aterrador! Um rampa do catano e um escaldante percurso descalço em alcatrão, adivinham de imediato que o que se segue não vai ser pêra doce. O segmento seguinte é do mais difícil em Portugal. Uma subida até aos bombeiros, que dá para pedir aos santinhos todos para dar uma ajudinha, mas depois segue-se outra subida, que leva os atletas ao topo superior da Vila. E se os santinhos já estão todos perfilados no "Deus me acuda", então é agora que se apela à divindade toda que acorra em auxílio. Não vulgar é ver-se muita gente a pé, na última rampa. Bom, está certo, depois é sempre a descer, mas...para voltar a subir novamente todas aquelas rampas por mais duas vezes. Enfim! Chegados à segunda zona de transição não há força, há apenas alma para impedir que nos fiquemos por ali porque desistir não faz parte deste vocábulo. O curso de corrida também não é para rir; muitas rampas, subidas e descidas, num sinuoso misto entre a povoação e um parque pedonal bem esgalhado na serra, alternando o alcatrão e a terra batida, mais outros pisos. Até que o alívio acontece, quando o sol se encolhe troçando das nossas caretas e das nossas fraquezas, para uma expressão apenas se desenhar no nosso rosto: o sorriso de que esta está feita! Os prémios são bonitos e corroboram da alegria que as gentes de Penacova têm em proporcionar este momento à modalidade, vai na XVIII edição.
Hoje vou ficar novamente de fora, com pena de não sofrer nos trajectos tortuosos que atrás referi. Para aqueles que gostam de desafios difíceis, este é seguramente um deles. Ah! Convém estar bem preparado.

Abraços triatléticos.



2ª Etapa do CNI de Triatlo - Aveiro.

18/07/10




Aveiro
Mais um fim de semana em grande para o desporto português, dado que a conquista do título europeu de Voleibol indoor é um marco importantíssimo para o nosso desporto, num país onde parece que só se respira o "jogo da bola". E em que é que Voleibol rima com triatlo? Alguma coisa que descrevo num nome: Guadalajara. Para bom entendedor...E reparem neste pormenor: dois fins de semana seguidos em que este "Portugal dos pequeninos" se sagra Campeão Europeu a nível de selecções (a anterior conquista tinha sido em râguebi, versão de 7). Mas mais, também foi o fim de semana em que João Silva, e agora falo mesmo de triatlo, conquistou o 10º L na etapa de Hamburgo do campeonato do mundo da modalidade, sendo uma vez mais o melhor representante português. 


Também este fim de semana decorreu a 2ª etapa  do Campeonato Individual de triatlo, realizada em Aveiro, e uma vez mais sem as principais figuras nacionais, que lá deverão aparecer mais para o mês de Setembro, para poderem garantir a sua participação na finalíssima, a disputar no Estoril. Digo eu...
A vitória de Pedro Laginha é categórica, à frente de outro Pedro, quem haveria de ser? Pois, o competitivo Pedro Gomes, atleta que vai a todas, não se poupa por aí além e anda sempre a morder os calcanhares da malta nova, para que não se descuidem, porque ao mínimo, lá estará ele para lhes dizer "eu não vos disse? quem não trabuca , não manduca". É isso Pedro, obriga-os a laborar, senão ficam preguiçosos. Parabéns aos dois Pedros. E a seguir lá vem a legião dos noviços. Destaque também para o Miguel Arraiolos que fecha o pódio, deixando para trás muita gente que embora nova já é famosa e de muita qualidade.
O destaque seguinte vai inteirinho para o escalão V2, masculino, pois. Porquê? Porque o nível dos três primeiros deste escalão está de tal forma que até os V1 se vêem gregos para lhes chegar. As distâncias entre Miguel Fragoso, Carlos Gomes e Emanuel Marques encurtaram entre si de tal forma que é completamente imprevisível prognosticar o vencedor no escalão numa futura prova, muito embora o Miguel Fragoso mereça algum crédito extra. Mas...todos eles têm evoluído, de tal modo que as diferenças já se cifram em segundos ou pouco mais. Estão obviamente de largos parabéns.

A finalizar, a prova vista para o lado feminino, em que concluíram15 atletas, a Bárbara Clemente venceu de modo tão categórico que não há comentários a fazer, excepto dizer  "Parabéns, Bárbara"!!

Afinal, ainda há mais qualquer coisa que merece ser comentada: uma pena, lamentável mesmo, que a prova do amigo Silvino Muchacho tivesse sido anulada ou ele desqualificado, o que vai dar no mesmo, provavelmente por uma merdice qualquer, embora os regulamentos...enfim, porque caso contrário, o tempo que fez até teria dado para vencer o escalão V3!!! ele que é um V5. Uma pena mesmo. Fica o consolo de saber que foi um dia em grande rotação.

Abraços triatléticos.





Resultados da sondagem " Como conciliar a crise com a competição".

17/07/10



Ver imagem em tamanho real
Não é possível retirar de uma sondagem com apenas sete votos, entre os quais o meu, conclusões que possam apresentar alguma grau de significância. A amostra, sendo demasiado pequena, permite apenas apontar para alguma especulação em função de eventual tendência. Os resultados ditaram o seguinte: 4 respostas afirmam que não há motivos para alterar os planos de participação em competições; 2 afirmam que há que reduzir as competições em que se irá participar no futuro; e para completar o quadro de respostas apuradas, 1 afirma que mais que reduzir, importa realizar uma selecção restrita do calendário competitivo.  
Eu tenho a ideia que a conjuntura económica irá determinar de modo significativo a participação das gentes nas provas de triatlo mas não só. Porquê? Bom, porque as medidas agora apontadas para solucionar a má gestão, no mínimo, de todos aqueles a quem temos confiado (desde à muito) os nossos destinos, só irão fazer-se sentir na realidade depois das férias, quando a realidade é mais real, isto é, a partir do momento em que se acabam os suplementos, depois da evasão mental que as férias e o bom tempo felizmente provocam nas gentes, mas também porque já se pre-anunciam mais medidas de combate à crise e mais aperto num cinto que mais parece um assador de castanhas, o que nos leva a desconfiar no discurso e nas decisões políticas, mas acima de tudo na capacidade dos que nos apontam o caminho, ou será a encruzilhada, beco, buraco, sei lá...?
Porém, admito que todos aqueles cuja participação esteja coberta pelo associativismo tenham a a vida mais facilitada, embora também pense que os clubes irão igualmente sentir as suas próprias dificuldades, como conseguir os patrocínios necessários para custear as deslocações, inscrições, alguma manutenção técnica e desportiva, etc.
Bom, mas quero deixar bem claro uma ideia: uma coisa é aquilo que eu penso e será aqui que o meu pessimismo entra; outra, totalmente diferente, é o que eu gostaria que acontecesse, e oxalá que a maioria de todos nós possamos prosseguir a prática e respectiva participação no calendário nacional de triatlo de acordo com as melhores expectativas. Esta a minha esperança.  Para já, há um facto indesmentível: cada vez mais são os aderentes e este ano é mais um em que a tendência de crescimento de praticantes e participantes se tem verificado, desde que a Vanessa Fernandes, especialmente, deu maior visibilidade à modalidade, digo eu. 

Vão-se divertindo, ok?


IV Triatlo de Aveiro: Previsão do Tempo e Listagem de Atletas Inscritos.

15/07/10



Uma vez mais, muitos participantes previstos para mais uma etapa do Campeonato Nacional de Triatlo, em distância Olímpica, desta feita previsto para a bela cidade de Aveiro, a confirmar o crescimento da modalidade. As condições meteorológicas apontam para vento  com intensidade suficiente para atrapalhar. A ver vamos.

A todos, votos de boa prova.



(Fonte: Accuweather.com)

(Fonte: FTP)




Triatlo da Amizade, Porterra.

13/07/10



A contar para a Taça de Portugal POrterra, o triatlo da Amizade teve a participação de muitos galegos, para além dos portugueses. Disputada na bela região minhota do Alto Minho, previa-se que a natação iria dar um segmento complicado se a corrente do rio fosse forte ou não se conseguisse contorná-la. A avaliar pelas prestações neste segmento, houve muita gente que se desorientou, "desfocou-se"  das boias de sinalização e  se "perdeu". Trinta minutos para fazer 750mtrs não é comum, o que a acontecer significa sempre que algo de anormal se passou. Do segmento de BTT desconhecia-se o perfil do percurso, e é pena que a federação descure este aspecto. Aqui e ali, aparece a altimetria dos percursos das provas em que o BTT representa o segmento do ciclismo, mas é muito importante conhecer, nesta vertente do pedalar, a altimetria do percurso. Será pedir muito? Seja como for, em Tomiño o percurso foi plano ou quase, e daí que não deveria ser necessário mais de uma hora, e já seria excessivo, para perfazer os 19,6 kms anunciados, mesmo considerando que antes se nadou contra o neto do Gigante Adamastor. 
Este ano, a vitória sorriu ao lado espanhol. Aliás, este fim de semana foi todo espanhol. Quase! Houve aí uns sete tugas que trouxeram um título inimaginável para Portugal, num desporto em que se pontapeia, dá-se palmadas ou agarra-se  uma coisa tipo ovo gigante, que nos troca os olhos quando nos arriscamos a persegui-la (a coisa). Mas, isso são outras estórias. Falava de Óscar Rodriguez, que venceu de forma categórica. Não tivemos a presença de José Ribeiro, que no ano passado defendeu o nosso orgulho. Paciência. Tivemos os putos do CN do Tejo para defender a honra da casa e estiveram à altura, sim senhor. Nove espanhóis contra onze portugueses, nos vinte primeiros. Que dizer? Uma palavra grande para o Emanuel Marques, essa jóia de pessoa, que está num enorme momento de forma, a alcançar o 14º L da geral e o 1º no seu escalão. Em grande. Nunca mais te agarro. 
No sector feminino, novamente uma vitória galega e igualmente com larga margem. Ainda assim, o triatlo de Almada ainda nos honrou, com a conquista dos lugares seguintes. A participação feminina deu um empate: das 14 atletas que participaram, 7 portuguesas e 7 galegas. 
Da gente amiga, destaco os representantes do Triatlo de Almada, Paulo Ferreira e Paulo Fonseca, um sénior, outro V1, que este ano entraram nestas andanças e vão evoluindo muito bem. Esta era uma prova ao seu gosto, já que são amantes do BTT. Ainda assim, o cansaço não lhes permitiu fazer melhor no segmento. Outra palavra para outro V2, que tem vindo a aparecer nos lugares cimeiros. Refiro-me a João Paulo Ferreira. Força nisso, João Paulo. Outra referência vai para o Tri-Braga, que tendo aparecido pela primeira vez em competições de triatlo, muito boa conta têm dado de si e com resultados muito interessantes. Além disso, estão em todas. Muita genica neste clube. Espectáculo! 
Quem também vai a todas é o Veteranos do Porto. E mais uma vez não falharam. Ele é triatlo, estrada ou BTT, duatlo, aquatlo, X-Terra, o que for...lá estão eles, sempre em força. Puro prazer.
Concluíram 89 atletas, devidamente qualificados, numa prova para a qual me resguardei (evitei duas provas de ciclismo no fim de semana anterior), mas uma vez mais a perna direita cedeu, a tempo ainda de cancelar a minha inscrição, e com dor não vale mesmo a pena sequer imaginar, quanto mais tentar. Continuo no meu calvário.


Bons treinos, pessoal. 


Nota: Grande classificação de João Pereira, este fim de semana, na 5ª etapa para a Taça do Mundo de Triatlo, em Holten, mais uma garantia de que o mundo não virou espanhol, nos últimos dias. Ele merece, porque é um grande talento, porque trabalha imenso, porque passou um mau bocado este ano e porque tem dentro de si a humildade dos campeões. Parabéns, João.


Iniciação ao Triatlo!

10/07/10



Encontrei este vídeo numa pesquisa no youtube há já algum tempo, meses mesmo, e fiquei enternecido com as imagens. Considerei de imediato que daria um momento de grande promoção da modalidade, como, alíás, o mesmo se auto intitula, oficialmente. Trata-se de uma prova em terras vizinhas e onde podemos constatar a forma simples e dinâmica como se pode organizar uma prova deste género. Aliás, de Espanha vêm excelentes exemplos ao nível da promoção, organização, logística, de eventos de grande qualidade, desportivos e outros.
O triatlo tem essa coisa dos pré-requisitos; é fundamental não só saber nadar, mas também estar à-vontade dentro de água, e não só saber pedalar, estando à-vontade nos equilíbrios dinâmicos que a bicicleta exige. 
Muitas vezes faz-se um bicho-de-sete-cabeças com as coisas. O triatlo também era assim, tipo um desporto só para alguns. O que este vídeo vem provar é que tudo tem uma progressão, e a integração numa modalidade como esta também tem os seus patamares, devendo fazer-se degrau a degrau, isto é, de adaptação em adaptação, fisiológica e psicológica. Isto faz-me recordar os saltos em trampolim, nos desportos de inverno. Ninguém começa a saltar nas alturas loucas que vimos nas competições de elite. Ou se alguém começa, é a excepção, não a regra. 
Mas, o bom é mesmo ver os pequenitos e os pequenos e os pequenos grandinhos, em alegre e genuína compita pelo puro prazer de praticar um desporto, sendo que neste caso se trata "daquele" desporto que todos adoramos. E assim começa o vício.

Claro, vão ter de silenciar o audio do blogue.

Embora empenados, abraços triatléticos!



Triatlo Porterra de Vila Nova de Cerveira: Previsão do Tempo e Start List

09/07/10




 Aproxima-se o triatlo da Amizade, na região do Alto Minho, numa organização conjunta da FTP e da Fegatri. a realizar no próximo Domingo. Trata-se de uma prova recente, disputada numa região cuja beleza é o denominador comum, onde o rio Minho se destaca, assim como a "arrumadinha a bom gosto" localidade. A região de Tomiño, onde irá decorrer o segmento de BTT, não conheço. Sei sim, que a Galiza é muito dinâmica na organização de provas, especialmente as denominadas provas populares, e a adesão das gentes é usual ser bastante positiva, onde se sente que existem bons hábitos de prática desportiva. Já tive a oportunidade de participar em algumas provas de atletismo e destaco precisamente a participação, organização. Uma delas, a meia-maratona do Baixo Miño, que terminava exactamente na vila portuguesa onde irá acabar este triatlo. 
Apesar da inscrição, entretanto anulada, não irei poder estar presente. Não adianta (as dores voltaram e nem o andar normal me é possível). Pelo menos, enquanto "isto" não estiver resolvido, e para isso preciso de mais tempo, não sei quanto, sei apenas que preciso. A possibilidade de tão só realizar os dois primeiros segmentos não é atraente para mim, neste momento. Está a ser um ano terrível, em termos desportivos. Vamos com calma.
Deixo-vos a previsão do tempo e a Start List.



(Fonte: Accuweather.com)

(Fonte: FTP)


Não se esqueçam de votar na sondagem. Pode ser que apareça por lá. Boa prova! 


Clube Praças da Armada: esclarecimento.

07/07/10




Depois de largos meses na indefinição, em resultado das minha maleitas, deixando passar todas as provas que até ao momento se realizaram, e após debater a minha situação com alguns responsáveis, mas também atletas do CPA, num altura em que o regresso se configurou como uma possibilidade, decidimos de comum acordo seguir caminhos separados. Isto é, volto à minha situação anterior de atleta que se representa a si mesmo. A decisão não transporta nenhuma quezília ou trauma ou algo menos bem esclarecido. Nada disso. Apenas, e sem desejar entrar em pormenores que devem ficar nos seus lugares próprios, adiantando porém e tão só que nada têm de pessoal, esta foi a melhor decisão. Entendi sempre que uma vez dada a minha palavra ao clube, nunca a mesma poderia ser questionada, excepto se as razões à partida perdessem a sua validade.  Ao fim e ao cabo, foi como se nunca estivesse estado no Praças?...Não é bem assim. Na realidade, não senti o espírito de grupo, extremamente saudável, a avaliar pelas reacções de vários elementos com quem conversei. E isso eu lamento, não ter partilhado esse salutar convívio. A amizade travada com aqueles elementos, fruto da oportunidade de partilhar algumas experiências e trocado algumas ideias, vai continuar em alta, nem poderia ser de outro modo, dada a afabilidade dessa boa gente.
Não quero deixar de agradecer aqueles que me convidaram e que em mim confiaram, a sua amizade e os valores do clube. Obrigado.

Aqui fica o esclarecimento.


Triatlos do Zêzere e de Avis.

04/07/10



Ambas as provas a contar para a Taça de Portugal, respectivamente para a vertente ciclismo de estrada e para a vertente Porterra, isto é, BTT. A obrigar a uma opção. Natural, já que embora até aqui muitos ou quase todos tenham participado em ambas as provas, porque gostam de competir, porque gostam da logística  organizativa proporcionada pela FTP, porque não tinham de optar, mas perante um calendário apertado, há realmente que fazer as opções, de acordo com os gostos ou possibilidades ou ambas, de cada um. Eu teria optado pela de Pedrógão...porque é mais perto de Tábua, onde tenho poiso, porque é de estrada, muito embora goste muito do terreno-a-fora, e porque Pedrógão faz parte daquele conjunto de triatlos difíceis, apenas porque o segmento de ciclismo é um sobe e desce que nos desafia constantemente.

Triatlo do Zêzere.

Uma boa surpresa, logo à cabeça, a vitória leonina protagonizada pelo Diogo Custódio. Vitória essa renhidíssima, já que não fosse o Pedro Gomes ter cortado as unhas dos pés bem rentinho e daria um...empate. Dois miseráveis segundos a separá-los. Fantástico final. O Pedro em grande, depois da sua hibernação em Ft.. Romeu, bem perto de Deus, onde se inspirou para as lides estrangeiras e nacionais. Depois da grande prova realizada em Vitória, País Basco, ainda há uma semana, ei-lo novamente em grande, no centro do País. O que só valoriza a vitória do Custódio. Parabéns aos dois. O Vasco bem tentou repetir a sua façanha do ano transacto, mas não deu. Em todo o caso, um honroso 3ºL para o atleta do CT Fundão. 
Nunca se estranhou, também não vai ser desta vez, que vemos os miúdos a ocupar os lugares mais à frente. Em todo o caso, os seniores não estiveram desta feita tão longe e muitos se podem ver a partir do 10º L. Talvez a dificuldade da prova explique este facto, melhor que outras palavras.
A outra grande surpresa foi ver o Emanuel Marques a aparecer em 22ºL na geral, e a ganhar o escalão V2, muito devido a um excelente segmento de natação, mas também a um muito bom segmento de ciclismo. Com grande categoria. E digo e repito: este escalão não tem memória do passado, nem respeito. A alternância que se tem verificado no primeiro lugar do pódio é assinalável e espectacular. O Carlos Gomes esteve bem, excepto na natação, onde as suas dificuldades são maiores. O seu 2ºL deve cheirar-lhe a pouco.
No sector feminino, excelente vitória de Bárbara Clemente, do Olímpico, também aqui numa luta in-extremis com Ana Filipa Ferreira, do Alhandra. Parabéns às duas jovens atletas. O 3ºL de Ana Filipa Santos ficou um pouco longe, ainda assim muito honroso.

No geral, participaram mais 20 atletas, se compararmos com igual período do ano passado. O triatlo continua em expansão. 
Fiquei na dúvida se terão nadado de fato. Penso que as águas quentes da barragem não devem ter permitido, para mais com o calor intenso que se verificou no sábado. Mas, digo-vos que o pessoal até parece que nadou com o "flutuador", porque em termos gerais está-se a nadar rápido, nalguns casos muito rápido.

Uma palavra para os companheiros que representaram Portugal e de que maneira, em Vitória, no Campeonato Europeu de Triatlo Longo, que quiseram estar presentes na "festa da aldeia da tribo" e que não estiveram mal de todo, mas imagino que ainda meio emperrados. Aliás, o Rodrigo Baltazar, do Sporting, esteve mesmo muito bem.

Triatlo de Avis.

O triatlo de Avis viu outro Custódio, agora o António, e do Olímpico, chegar à frente de toda a gente. E não deu chances a ninguém, apesar da extraordinária prova de José Ribeiro, do Águias de Alpiarça, o melhor veterano em 2009, há muito desaparecido destas disputas, mas que regressa em grande força.
Nesta prova os putos não tiveram hipóteses. A experiência necessária e o facto de muitos jovens de grande talento andarem pelas competições de XCO pode ajudar a explicar este pormenor.
Cerca de 100 atletas justificaram a aposta da Federação e provaram que é possível agendar duas competições de âmbito Nacional e paralelas, de triatlo sprint.
Destaques: 3º L de Nuno Neves, do Louletano; Vitória de Carla Ribeiro, também do Louletano, no sector feminino; a participação de Pedro Cordeiro nas duas provas do fim de semana (mais um bocadinho, dava um Longo); os três primeiros classificados em V2 aparecem no top 30 (excelente).

O que estranhei: ver alguns V2 usuais na estrada a optarem pela variante fora-de-estrada: Renato Fidalgo, ADCR Painho, e Paulo Leitão Santos, Peniche AC. 

Dois meus conhecidos, bastante conhecidos, participaram nesta prova: Paulo Ferreira e Paulo Fonseca, ambos do Triatlo de Almada. E estiveram muito bem, atendendo a que se trata da sua 2ª prova. 

O segmento de BTT deve ter sido bem durinho, a avaliar pelo tempo de conclusão de muito boa gente que se dá muito bem neste tipo de piso. Também nesta prova me parece que nadaram de fato, mas de facto terão nadado? Com o calor alentejano que deve ter estado, não acredito. Mas, alguém mo dirá. E talvez devido ao calor se justifique que o segmento de corrida tenha durado cerca de 30' para muitos habitués do triatlo. 

Meus amigos, esperam-me 250 kms até casa. Vou ficar à espera de feedbacks vossos destas duas provas.

Ainda: uma palavra para o João Silva, que continua a estar em grande forma e em grande plano na montra internacional. 

Abraços e até breve.


Triatlo do Zêzere e Triatlo Porterra, de Avis: Resultados!



Num fim de semana rico em provas de Triatlo, uma no sábado, dia 3, e outra hoje, domingo, dia 4, muita coisa interessante à para consultar, analisar e comentar. O crónica sairá mais logo. Entretanto deixo-vos os resultados, extraídos do sítio da Federação de Triatlo de Portugal. 

Um coisa posso já adiantar: a Federação está obviamente de parabéns. Porque conseguiu montar duas provas em lugares distintos num curtíssimo espaço de tempo e conseguiu outra coisa mais significativa ainda; uma participação efectiva em ambas as provas. Sobre os participantes, escreverei depois, mas não quero deixar passar em claro este aspecto de grande relevo.

E eu a vê-los passar. Vamos ver...Vila Nova de Cerveira, né? Vamos ver.

Bons treinos! E não se esqueçam de votar na sondagem.


Quem espera, desespera...

03/07/10



Na indefinição dos meus problemas músculo-esqueléticos com os gémeos direito, vejo as minhas expectativas a frustrarem-me, quando na realidade funcionam precisamente ao contrário. Talvez não esteja a ligar bem as ideias, mas o sentir é esse; julgo poder avançar para a minha primeira prova, razão de ser da minha prioritária preparação, o triatlo, avalio as reacções proprioceptivas  da região muscular afectada, testo-as, a coisa corre bem, com sensações difusas, mas não doí. A última ressonância acusa... nada. O cirurgião acusa...não haver razões para receios, que devo insistir, até ao momento antes da dor. E eu insisto, até que doí. E cai-me tudo. Afinal, como poderei preparar-me mentalmente para algo que não vai acontecer? Cai o pano, o semblante acinzenta-se de uma tristeza repetida. São os efeitos imediatos. Os outros, os colaterais, são a desmotivação para o treino (para quê treinar se...); são muitos meses sem poder correr. Que coisa sem sentido. Afinal, é tão fácil correr, é tão acessível correr. Já nem falo em correr a correr, mas tão só...correr. Só isso. Ainda assim, é difícil. Que praga! E as coisas até que nem têm andado a correr mal, nos outros sectores: domingo passado fiz o 25º tempo num raid BTT, entre outros 130. Mais que isso, senti-me bem, muito bem, resistente. A natação parece estar melhor que em igual período do ano transacto, a avaliar pelo tempo-teste que fiz hoje. Mas, o difícil é mesmo manter o apuro psicológico perante este carrossel de emoções. Isto passa, já passou e por isso vai continuar a passar, até porque nós precisamos de nos re-motivar, sempre, sob pena de acabarmos por descaracterizar a nossa própria personalidade e mesmo a sanidade mental.
Por isso, já não sei se posso, se devo sequer, participar em Vila Nova de Cerveira. Garantem-me que não há razões para eu desistir...Eu quero apenas poder correr.  


E estando a apenas 70 kms de Pedrógão Grande, não consigo ir ver essa bela etapa da Taça. Fico-me por entre o Mundial de Futebol e o Tour de France, com um pomar para cuidar, pelo meio, e mais umas pedaladas, pelo outro.


Bons treinos e boas provas.






Triatlo do Zêzere: Previsão do Tempo e Start List

01/07/10



Pedrogão Grande 11 por LuPan59.
O triatlo na simpática Vila de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, tem para mim uma recordação especial: foi a minha primeira participação completa numa competição da modalidade, vai fazer um ano. Não apareceu no meu melhor momento de forma e não é um percurso acessível, o do ciclismo. Nadar sem fato na barragem do Cabril confrontou-me com uma realidade nova e mais de acordo com as minhas (in)capacidades, claramente disfarçadas no triatlo de Oeiras. A corrida, essa não me permitia grandes ilusões; não ter corrido durante quatro meses limitava as minhas ambições em obter tempos de acordo com o momento em que tinha deixado de correr. Ainda assim, foi um prazer tê-la concluído. A toalhinha que então foi oferecida ainda hoje me é mui útil. E ainda trago o sabor das bejecas devoradas na companhia do Henrique e esposa (Veteranos do Porto), num daqueles também simpáticos cafés virados para o centro da Vila. Este ano, não vou poder estar presente. Quero-me resguardar durante mais uma semana, para então sim poder entrar em acção. 

Deixo-vos a previsão do tempo para o dia e hora da prova e ainda a listagem de atletas inscritos, segundo consulta no sítio da Federação de Triatlo de Portugal.

Divirtam-se e não se esqueçam de votar na sondagem aqui ao lado.

Boa Prova!

(Fonte: Accuweather.com)

(Fonte: FTP)




A Crise.



Vivemos um momento caracterizado pela condicionante económica e financeira, a obrigar a uma reavaliação dos projectos pessoais da mais variada ordem. Consciencializo-me da minha realidade de vida e penso nos procedimentos que terei de adoptar afim de readaptar os objectivos (direi caprichos?) pessoais, afim de manter as valências pilar que sustentam os bens mais essenciais da minha vida, pensando que não estarei a dizer mal se me referir à "nossa" vida. Ele são as novas portagens e o aumento das outras, o aumento do IVA, também nos combustíveis, o aumento dos custos com a manutenção do material, os serviços utilizados, os suplementos, os tratamentos, as técnicas de recuperação, etc etc.

Por isso, parece-me oportuno perguntar à comunidade que desenvolve a sua actividade no triatlo, mas também no desporto em geral, como pensa enfrentar essa besta que nos vai acossar não sei bem quanto tempo - a crise.

Deixo-vos a sondagem, cujo propósito é procurar conhecer as vossas estratégias perante a nova realidade que não podemos evitar, já a partir deste verão, agora iniciado (começa bem, hã?).

Façam o favor de votar.

Abraços.








Nota: tenho em mente participar na minha primeira prova da FTP da época: Triatlo da Amizade, dia 11 de Julho, prova que persigo há dois anos, mas que por isto ou por aquilo nunca fiz. Espero que seja este ano. Vamos ver se os gémeos direito estão de acordo com  a minha vontade. Até agora...