Ocorreu um erro neste dispositivo

Luso Galaico 2013 - Uma Experiência EXTREME: Dia 1!

29/04/13





Vamos começar, então? Não está fácil organizar as ideias. Elas fazem-me lembrar os alunos de hoje; querem falar todos ao mesmo tempo, tal a ansiedade. Há que por ordem na coisa; um de cada vez e braço no ar.
Extreme rima com alguma/muita coisa e percebi isso desde a primeira edição: aventura, emoção, prazer, sofrimento, tenacidade, deslumbramento, paixão, adrenalina, risco, medo, coragem, audácia, conhecimento, experiência...Esta é a minha terceira participação no evento. Since...que foi criado. Logo na altura entendi não dever perder as emoções fortes duma experiência diferente. Mas, atenção! É muito importante ter a experiência da modalidade para poder desfrutar do que efectivamente ela nos pode dar. Porque há riscos, porque há sofrimento, porque nestas coisas, e como já disse no passado, não adianta ter apenas vontade. Esse o ponto de partida. Depois, há que encetar um plano de preparação e corresponder-lhe ou adequá-lo em função das necessidades. É que um total de quase 6000m de desnível positivo não se trilham sem três aspectos fundamentais: experiência, preparação e...vontade. Não basta subir, é preciso descer e saber descer é coisa que alia técnica, força e coragem.

6h15' da matina, estava uma ventania chata, fria, que justificavam os pouquinhos graus acima do zero. Em Esposende não havia cafés nem pastelarias abertas. Daí que a ideia de comer em casa, afinal, resultava como acertada. Olhei para ela e senti-lhe o desejo resplandecer de vontade. Disse-lhe para ter calma, que esperasse mais um pouco.
Este ano "tinha-me precavido" relativamente às edições anteriores. Dada a obrigatoriedade da participação estar condicionada à apresentação de duplas ou triplas de concorrentes, dei comigo acompanhado por um jovem jurista, por sinal o homem do GPS, e por um, imagine-se, dentista!! Estava nas nuvens e preparado para qualquer ocorrência. 
Pedro Saleiro e João Paulo, companheiros da aventura
Decidira partir de impermeável, não porque chovesse, mas para aceitar um pouco melhor esse malfadado frio. A partida estava agendada para as 7hrs, só que houve um atraso (grande) que não sei porquê levou a que toda a gente, os cerca de duzentos participantes, tivessem partido já após as 7h30'. E lá fomos, contentinhos da silva.
Tínhamos combinado que este ano iniciaríamos a contenda sem vontade de "ganhar o evento". Só que quando dei conta, lá íamos nós de vento em popa. Havia igualmente uma novidade; o Pedro (dentista) trazia câmara de filmar.
Os trilhos que iam sendo calcados davam-nos a razão de ser da decisão tomada e maravilhavam-nos as descidas, porque de subidas propriamente ditas ainda não havia notícias. Pelo meio ia confirmando duas coisas que me encantavam: por um lado, a "arma" ultrapassava todas as melhores expectativas e estava estabelecida uma união de...paixão. 
Rampita, comparado com o que aí vinha

Por outro, eu estava realmente preparado. Abastecimento em Ponte de Lima, cada vez mais bonita e encantadora. Aproximava-se o grande acumulado. Pelo meio ia reconhecendo caras que, como eu, marcavam presença desde a primeira edição, quando a coisa ainda era apenas de um dia só. Também alguns conhecidos, pessoal do bairro e não só. E pronto! Lá estão elas, prolongadas, caprichosas, traidoras, ciumentas. A 29'' também sobe. Dizem que é preciso ter pernas. Bom, eu tenho duas e só lamento que os gémeos sejam tão velhacos comigo. Mas isso já são outras estórias. Aqueles trilhos que  cobiçam as nuvens levaram-me para os tempos do contrabando ou o êxodo para França, a troco de uma vida melhor. Terras perdidas na imensidão dos montes e vales. E como tudo o que sobe também desce, nós também o fizemos, acompanhando as indicações do aparelho. A páginas tantas o que acontece, ora digam lá? Comigo é mesmo assim, seja nova ou velha, usada ou por usar. Pois é, furei. Explicação? Ah sim, não há coincidências...c'um raio. Foi o tempo suficiente para relembrar velhas rivalidades. Lembram-se do "Special One"? O homem ia vidrado, disseram-me (porque eu nem o vi). Coisas que a gente arranja para entreter o tempo e a mente.
15 horas e alguns minutos, oito horas depois, eis-nos chegados a Arcos de Valdevez, uma muito bonita vila minhota. Bem cuidada, com equipamentos modernos, encastrados com gosto no antigo. Apenas um senão; o lixo no chão. As mentalidades é que não mudam senão com educação. Mas ainda sobre a hora de chegada, havíamos comentado entre nós da importância de tempo para recuperar. Duas coisas a este respeito; este ano, sendo as pernas as mesmas,elas davam claramente melhores sinais do que em Caminha 2012. O acumulado havia sido idêntico, mas o certo é que a coisa estava mesmo melhor. A segunda; mais tempo para recuperar; ainda relativamente a Caminha 2012, desta feita dispúnhamos de mais três horas de recuperação. Bom, muito bom.

Dois tempos de pausa para dois dedos de conversa, no jardim, tempo para umas sandes que sobraram aos abastecimentos. Despedimos-nos do Pedro (só podia trilhar um dia) e toca a tratar das meninas porque amanhã havia mais uma dose. 
Quanto vale esta montra???
E que dose. Ah! Depois de arrumada a tralha, tempo para uma corridinha, só para que "eles" não esqueçam. Tive de abortar a 1' do objectivo. Um tal de ácido láctico, que já havia feito mossa numa das tais subidas viradas às nuvens, voltou a atacar e o melhor era mesmo parar por ali. 


Low cost está mesmo na moda
O fim do dia trouxe-nos tempo para o enfardanço e, igualmente bom, o convívio. Foi excelente partilhar experiências com gente que se conheceu ali e naquele momento, misturados com outras caras conhecidas. É uma mais valia e torna o prazer intenso e repetível.

Continua...



Luso Galaico 2013: Uma Experiência EXTREME!! - Números

28/04/13



Já reparei que as consultas ao blogue dispararam relativamente aos últimos tempos. E para não defraudar expectativas, irei dividir esta odisseia em partes (ainda não sei em quantas).

Hoje deixo-vos os números brutais desta participação. E também vos deixo um forte abraço. Até breve.












Agenda.

26/04/13






Encontrando-me numa fase em todas as frentes, começo a equacionar a minha "entrada ao serviço". Que bom que é sentir esta liberdade! Nada mais reconfortante em termos psicológicos que sentir-me assim. De forma que está na altura de "pensar" em também correr.
Por incrível que pareça, o dia 12 de Maio tem uma variedade de alternativas cuja concentração de eventos não é vulgar. E estendem-se a todas as disciplinas possíveis e imaginárias: triatlo, duatlo, corrida estrada, trail, ciclismo, BTT...enfim.

Agenda para os próximos tempos:



 Quanto ao menu principal, razão de ser disto tudo, tranquilo. A época é longa, mas gostava de poder estar disponível para "duas meias-distâncias". Sonhar não custa, o problema é se o sonho torna pesadelo. Principal objectivo do ano; ser feliz. Segundo objectivo; Longo de Caminha.

Companheiros, até breve e abraços triatléticos.


Luso Galaico 2013: 1,2, 3...Experiência!!

25/04/13



A natureza, a máquina e ...onde está o homem?

Finalmente chegou; a "arma" que este ano (e de ora em diante) me vai guiar pelos 190 kms de trilhos, estradões e sei lá que mais me esperam na edição Extreme do Luso Galaico 2013. Havia que a testar, e durante 100' calcorreando os caminhos que normalmente trilho, ela passou com distinção. Mesmo que sem forçar muito, mas por muito que nos poupemos, há coisas que são inevitáveis, e a descer parece um tractor; galga tudo. 
Mas, a 29'' e o carbono só irão mesmo ser postos à prova neste fim de semana que se aproxima, a correr. A semana, procurou-se que fosse diferente das estratégias passadas; menos volume e pouco ou nenhuma intensidade. Os efeitos saber-se-ão depois. O certo é que começo a sentir falta da água.

Voltando ao Extreme, convém referir que não é uma prova, antes uma provação. Em 2012, já no formato actual (dois dias), o desgaste, leia-se dores lombares, nas últimas horas era muito sentido, daí a opção por uma nova "arma", com outras características, mais "sofá", se é que isso é possível. Mas tenta-se, enquanto se puder. Fico com a ideia que o acumulado da edição deste ano será mais distribuído no tempo. Ilusão, se calhar. O pessoal que talha estes traçados não tem contemplações; "há querem que doa, doer-vos-á". Portanto, antes de ser uma prova já a cabeça e o corpo estão acima de tudo interessados em...sobreviver! Ainda sobre este ano, só queria mesmo, para além de "manter a dentadura" intacta, poder dormir. Ah, como será bom se isso puder acontecer. 

Companheiros, abraços triatléticos e até breve. 



Foco: Extreme, Luso Galaico 2013!

21/04/13




Hoje houve saída para o monte. A última antes da empreitada que se avizinha no próximo fim de semana. O ácido láctico assaltou as minhas pernas, especialmente, e a próxima semana servirá para o drenar, entre outros efeitos. Tudo para evitar que o empeno não seja tão doloroso. 
Neste último teste, voltei ao mítico São Gonçalo e a despeito do muito bom tempo (saí pela primeira vez de calções, este ano), muitos dos trilhos continuam com excesso de água e lama, mas esta parte era escusado dizer, não é verdade? A parte mais agradável é que escalei o famigerado monte numa relação de velocidades mais pesada e isso deixou-me consciente de que não é impressão, estou mesmo melhor preparado. O que mais me impressionou foi a quase ausência de betetistas nos montes por onde pedalei. Estranho, digo eu.
Entretanto, aguardo ansiosamente que chegue a "arma" final ainda antes da contenda. 

Os registos do dia são simples: 1228 de acumulado, 4 hrs e 13', vel média 11,7 kms/hra

Companheiros, abraços triatléticos.




Ciclismo: Alterações ao Código da Estrada!

17/04/13



Hoje parece ter sido dado um passo importante na regulação dos comportamentos em trânsito, tanto dos automobilistas, como dos ciclistas. Seja como for, nada surtirá efeito se cada um dos intervenientes não tiver o sentido de responsabilidade que os seus direitos, mas acima de tudo os seus deveres de cidadania exigem.  Oxalá esta regulamentação agora aprimorada possa no mínimo reduzir a sinistralidade envolvendo ciclistas. 

Deixo-vos o site respectivo: Alterações ao Código da Estrada


Abraços triatléticos.


Em Várias Frentes!

14/04/13



                                                  

É verdade. Dou comigo a pensar que dê as voltas que dê, estou, estarei sempre em várias frentes. Fruto do gosto pela prática desportiva, sinto-me desafiado, digamos assim, a equacionar, e consequentemente a dedicar o meu tempo de treino, à participação nos eventos de BTT, corrida, ciclismo, trail, natação, triatlo, pois. E dentro do triatlo, uma variante que me dá muito gozo é mesmo o triatlo cross ou x-terra ou PORterra, como lhe queiram chamar. Talvez pelo contacto mais próximo com a natureza, segredo maior do meu prazer da prática desportiva de ar livre. Pena não haver mais provas do género em Portugal. Acho que iria atrair mais amantes do desporto à modalidade. Adiante.
A questão das várias frentes resulta da aproximação do melhor evento de BTT do nosso País: O Luso Galaico, agora edição 2013. Recordo-me quando aqui cheguei (Esposende) que se tratava de uma romaria de amigos aí pelos trilhos, mas também pela cidade. Hoje por hoje, é um evento com um nível de participação extraordinário. E sempre em evolução. Sempre participei na variante que apelava à minha melhor qualidade física e psicológica: a resistência. Por isso, não sei o que é meias-maratonas no Luso Galaico. Este ano lá estarei, assim espero, na partida para mais um Extreme(ly dangerous), novamente na companhia do amigo do ano passado (João Paulo). Aliás, este ano é obrigatória a participação em equipa, nesta variante. E como em equipa que ganha não se mexe... 

1º dia
2º dia
A empreitada é significativa e luto nos poucos dias que ainda me restam antes do evento, para apurar o melhor possível a minha condição. Hoje posso afirmar que FINALMENTE estou a treinar! 

(Perfil do treino de hoje de ciclismo)
Mas, o objectivo maior será sempre o triatlo. Agora, volto a acreditar. Os sintomas na corrida têm sido positivos, não sem dispensar umas "mariquices" em casa, mas...estou a rodar o motor. 
O ciclismo de hoje fez-me relembrar que aquelas inflamações na fáscia plantar é coisa para chatear, especialmente se pressionar bastante a região, como foi o caso de hoje após mais de 1500 D+. Um dado significativo foi o do meu peso: antes pesava 69,5 kgs; depois, 67!



Curiosamente, também me cruzei, ainda antes da chegada a Viana, com dois companheiros do Porto Runners. Falámos de Caminha, pois claro. Fica prometido, até porque quero, divulgar o perfil do segmento de ciclismo. Muito possivelmente após os dias 27 e 28 do corrente, porque até lá só há apenas lugar a mais duas sessões assim com a de hoje. Pois. 

Companheiros, abraços triatléticos e até breve.
                                




Reflexão XIV

11/04/13




Esta questão já foi de certa forma aflorada aqui há tempos nas entrelinhas deste blogue, mas agora é por demais evidente. Trata-se da "rivalidade" latente entre blogue e facebook. 
Tenho constatado que não apenas eu deixei de oferecer tanta vivacidade ao blogue. Vários são aqueles que têm preterido escrevinhar no blogue em favor do facebook, a despeito de alguns se manterem fieis ao seu espaçozinho na bloguosfera. As razões serão variadas; o facebook tornou-se mais imediato e mediático, é mais acessível, tornou-se igualmente mais simples, é mais directo e chega a mais longe e é mais amplo. Por outro lado, o que leva as pessoas a escrever, nem que sejam poucas linhas, esgotando-se no facebook, pouco sobrará da equação tempo livre vs impulso para escrever. 
O blogue é mais introspectivo, mais fechado em termos comparativos; tem uma público alvo mais restrito, por força dos interesses direccionados, e por isso obriga a uma maior criatividade e trabalho, se se ambicionar ser inovador ou transmitir algo de útil, evitando assim a repetição ou o exercício narcisista do relato dos feitos alcançados.
Foi, aliás, esta uma parte considerável da razão da minha ausência; escrever continuadamente sobre os mesmíssimos motivos que me levavam a explicar-me, seria fastidioso para todos, eu incluído, de tanto os ter anteriormente expressado.
Mas, pergunto-me se a situação actual no nosso País, e com ela o sentimento de tristeza, angústia, desalento, nessa ordem, não terá também a sua quota de importância no menor investimento das "blogueiros" no seu espaço.

E porque um blogue é um espaço "sui generis", com um valor enorme na manifestação do "eu", não no sentido egocêntrico, mas numa perspectiva pessoal onde o contributo de cada um poderá ser uma voz  muito útil sobre uma temática em concreto e, quem sabe? ser algo mobilizador de pequenas mudanças, acredito no motivo blogue.
Eu gosto de escrever, na dimensão a que estou reduzido, claro está, e divirto-me ao mesmo tempo que procuro ser sério sobre os temas abordados. Enquanto isso acontecer, cá estarei.

Companheiros, abraços triatléticos.


De Volta!...

07/04/13




...na realidade, não cheguei a partir. Mas quem me segue, sabe-se lá com que infinita paciência ou esperança, percebe que esta minha luta sem tréguas por um lugar no pelotão desta modalidade que, de forma incompreensível, me prendeu, de alma e corpo, arrebatando-me a uma outra onde ainda tenho um pé, carteira profissional e infinitas possibilidades financeiras - se os astros todos se alinhassem no mesmo sentido (sim, porque para tudo também é preciso sorte), sabe, dizia, que não tem sido fácil ultrapassar os obstáculos  que de forma intrínseca surgem sei lá como. Pronto. Cansei, frustrei, deprimi, mandei tudo às urtigas, reclamei paz a quem de direito, pedi apenas para...ser feliz. E a motivação caiu, a pique, no precipício das emoções. Nos entretantos, fui fazendo a minha vida, assim como quem parte de cabelos ao vento, livre de obrigações, apenas a da busca da felicidade, mas sempre, sempre com esperança.
Pelo meio, os projectos também foram arrumados na prateleira, mas nunca verdadeiramente abandonados. A motivação, essa filha da mãe, voltou, sorridente, como se nada tivesse passado entre nós. E eu aceitei-a. Já tive tantas chatices com ela e saio sempre a perder que o melhor é mesmo dar-lhe a mão e, sorrindo, saltarmos ambos e pularmos de alegria, novamente.
Avizinha-se o Luso Galaico, versão Extreme. Sim, porque as outras já não mexem comigo. Parto tarde para a contenda, mas com entusiasmo e o prazer que deve estar subjacente nestas coisas. Caso contrário, sofre-se a triplicar. Aliás, nem vale a pena. 

Ah! Já se corre novamente. E porque não voltar a sonhar?

Companheiros, agradeço a vossa fidelidade. É, como dizer? tocante. Sobre os projectos, a seu tempo...

Abraços triatléticos.