Ocorreu um erro neste dispositivo

A New Star as Born? João Oliveira, Um Caso Sério!

09/10/13



O Iberman passou ao lado dum grande evento, atendendo ao número de participantes. Mas as coisas são mesmo assim quando ainda estão no início. Tem pernas para andar, disso não há dúvidas. Porém, acabou por dar brilho ao um jovem de 29 anos, completamente desconhecido da modalidade, para não referir da distância. A notícia que a FTP faz do evento é bem elucidativa disso; pouco refere da prova, o interesse é mesmo o atleta João Oliveira.
Há casos assim e é a prova provada de que há muito talento por aí, mais novos, escondidos algures. A dificuldade é mesmo chegar-lhes. João Oliveira vem a bom tempo ainda de poder brilhar mais alto na modalidade e na distância, que vai adquirindo ano após anos o lugar top na comunicação mundial dos eventos desportivos, em geral.

Deixo o link da notícia da Federação de Triatlo de Portugal.

2 comentários:

david caldeirao disse...

que o João Oliveira foi a grande surpresa do dia, não há duvida!
mas em relação ao evento!? achas mesmo que passou ao lado??? cerca de 550 triatletas que chegaram ao fim, mais uns quantos (muitos) que não conseguiram..., achas mau!?
não se pode comparar com um evento da IRONMAN ou da Challenge, são coisas bem distintas, mas se comparares com os IM que se realizaram em Portugal, tens uma diferença de 10/100, lembro que no nosso pais já se organizaram 2IM, um com 45 e outro com 23 triatletas..., sinceramente fiquei espantado com o nº de inscritos no IBM, afinal aquilo era um IM regional, num canto de espanha, pela 1ªvez, no mesmo fds que um Challenge em barcelona e apenas o valor de inscrição pode justificar o nº de inscritos...
isso leva-nos à pergunta, será que já justifica fazer um IM em Portugal, eu acho que não, dificilmente conseguiriamos ter mais de 100 triatletas a menos que conseguissemos chamar cerca de 500 espanhois, isto partindo do principio que seria um IM fora dos grandes circuitos!!! obviamente que se falar-mos num IM da WTC ou Challenge, ai a conversa já é outra..., e locais de sonho para fazer um evento desses neste maravilhoso canto da europa é o que não falta, mas quando falas com eles é preciso levar €€€ e infelizmente isso é coisa que não há, ou pelo menos não há visão para investir num evento que poderia trazer cerca de 5000 pessoas fora de época de verão, a qualquer zona do pais!!!

João Correia disse...

Eu tinha decidido há algum tempo não responder a comentários. Por nada em especial, apenas porque a páginas tantas entra-se numa espécie de diálogo e esse não é propriamente o objectivo. Porém, é uma reserva e permite-me usá-la quando entender. Sim, concordo contigo, David. Se olharmos para a prova com um evento natural, digamos, apenas com o extra de ser a distância que é, Concerteza. Só que eu tenho este defeito de raciocinar na razão proporcionalmente directa da dimensão das coisas. Isto é, se é Ironman, se é para ter impacto, se é para fazer história, então tem de ombrear com os grandes eventos. Claro; as datas, a logística, o apelo dos aficionados (internacionais) da modalidade, tudo isso terá de estar de acordo com o propósito de fazer história e marcar a história e implica um investimento ao nível especialmente do marketing fortíssimo. Hoje em dia, uma maratona, um ultratrail, um Ironman são cartazes turísticos com um impacto económico incrível nos lugares onde se realizam e penso que quem se atira para a organização dum evento deste género busca precisamente esse desiderato. Mas as coisas deste tipo são como uma planta; com o tempo vão-se desenvolvendo, se bem cuidadas.