Ocorreu um erro neste dispositivo

"Morres Ou Não Morres?"

11/12/14





Estou ou estarei de regresso? Uma coisa dessas será, essa a minha esperança. Porque amo o triatlo, amo o treino, amo sair de noite, em pleno inverno, com 7º, 8º centígrados, a tilintar os dentes, rivalizando com o som da transmissão da minha bicla, deixando para trás o conforto da lareira,. Ou então, amo entrar na água à hora de almoço, sempre numa correria, em luta contra o tempo, o tempo de trabalho, porque o dever é forte e sem ele nada haverá.Também amo correr, tanto como o correr ama chatear-me a molécula e testar até ao tutano toda a minha resiliência, toda a minha perseverança em praticar uma modalidade para a qual manifestamente estou quase impossibilitado de o fazer. Já estou mentalizado; para ser feliz neste campo, terei de abdicar de algumas realizações e de outros tantos sonhos. Aceno a bandeira das tréguas, assim obtenha resposta dentro de mim próprio.

Não tem sido fácil atravessar este deserto, manhoso e multifacetado (muitas foram as voltas que a vida me deu ou que eu dei nela),  mas tenho esperança de que pelo menos consiga participar em alguns eventos. A verdade é que estive para mandar tudo às malvas ou ao malvado do fim. Mas, o prazer acaba por vencer. Sempre. Sem objectivos competitivos, sem objectivos de realização pessoal. Agora e só pelo prazer de...fazer! estar presente e sorrir com os companheiros de quem tenho muitas e boas saudades, daquele fervor pré-competitivo, da azáfama das transições, do rubescer nas bochechas no calor da contenda e do sublime convívio final. Se saudades é isto, eu tenho saudades.

Ainda cá anda os problemas com os gémeos. Será sempre assim. O segredo está em aproveitar as janelas de oportunidade que o meu próprio sistema orgânico proporcionar e pelo meio ser paciente, muito paciente. Um verdadeiro chinês (dizem).

Para quando o regresso à compita? Calma. Quem sabe, lá para Março.

Companheiros, abraços triatléticos.

2 comentários:

joao rita disse...

Não estás sozinho, já somos 2.
1 abraço companheiro

João Correia disse...

Esse tipo de solidariedade dispenso. Mas, a gente vai lá, companheiro. Forte abraço.