Ocorreu um erro neste dispositivo

Duatlo de Arronches - A minha análise.

27/02/10



(Fonte: FTP)

Num dia marcado pelo mau tempo em todo o País, deve ter sido com muita adversidade que os duzentos e seis atletas concluíram a prova correpondente à I Etapa da Taça de Portugal da FTP. A previsão do tempo confirmou os temores maiores; chuva e vento a soprar forte a muito forte. Por isso, acredito que especialmente os tempos conseguidos no segmento de ciclismo tenham sido afectados por aquelas condições (a média dos primeiros classificados rondou os 34 km/h).
Eu não conheço o traçado da prova. No ano transacto também não participei, pelos mesmos motivos que não participei no presente ano, e por isso a minha análise tem esse senão, de ignorar a realidade da coisa. Por isso, todas as considerações serão condicionadas à análise dos resultados, em comparação com as prestações na última prova e atendendo às evoluções nos registos, considerando que a prova das Lezirias e esta de Arronches são provas distintas.
Em termos gerais, registo o regresso às competições da Taça do homem mais sonante do panorama Nacional - Bruno Pais. E como já havia referido apropósito do Duatlo das Lezirias, há claramente uma mudança na estratégia de preparação para esta época; o Bruno não perdeu uma prova Nacional na época 2009 e este 4º lugar alcançado denota claramente atraso na preparação. Consciente, direi. Também quero deixar uma palavra para o Pedro Gomes, hoje mais no seu terreno, se compararmos com a prova de Vila Franca de Xira. Estas não são as suas distâncias, o Pedro é um homem que sonha em grande e ambiciona na mesma dimensão, e tem razões para isso pois a sua entrega e dedicação à preparação dos Longos, especialmente, têm-no feito sorrir, a ele e a nós. É sempre um privilégio ter os melhores atletas como parceiros de competição nas provas da Taça de Portugal. Das ausências, registo a  do João Pereira... a braços com algum problema ou será a pensar noutros vôos?
É evidente que os aplausos mais fortes vão para o Sérgio Silva. Grande vitória, concerteza num sprint emocionante. Confirma-se o grande início de época do João Silva, a dois segundinhos do lugar maior do pódio, e ainda o excelente 3º do Lino Barruncho, também com um muito bom início de época, na sua especialidade, a dizer que está vivo para quem o quiser ouvir. Há dois nomes grandes que me parecem ainda a procurar o seu melhor: o José Estrangeiro e o Vasco Pessoa. No ano passado habituei-me a vê-los nos lugares cimeiros, senão a ganhar pelo menos nos pódios, e este ano a mudança de clube parece ter obrigado a adaptações que precisam de algum tempo para serem ultrapassadas.
Da prestação do meu clube, Praças da Armada, realço a performance do Jorge Duarte, grande tempo e grande prova (a pouco mais de 4' do 1º). O Teixeira  não esteve mal, fez uma boa prova, mas, atendendo a que a sua especialidade é a estrada, parece-me que o mau tempo lhe deve ter feito algumas mossas na "carroçaria", pois esteve um pouquinho abaixo do que fez nas Lezirias. Há dias assim.
No meu escalão, registo a entrada em cena do grande craque do Oeiras Sport Clube - Carlos Gomes. Nota-se que ainda não está no seu melhor (também não o deseja, creio), mas cuidado, porque este V2 pulveriza a concorrência toda. Toda? Não, há aí um Senhor que responde pelo nome de Horta que rivaliza, e de que maneira, com ele. Seria interessante vê-los mais vezes no ombro a ombro. Ainda no escalão de V2, nota-se a subida na classificação do meu colega, destas vidas e de profissão, Paulo Renato (Leitão Santos), claramente no lugar que foi seu (em termos classificativos) na época finda. Acho que nunca te chegarei próximo, Paulo. Assim como o Renato Fidalgo, também a subir degrau a degrau a escadaria da forma. Muito bem! 
Uma palavra de destaque para um Atleta enorme; falo do Senhor Fernando Feijão, V4, que fez uma prova extraordinária. O tempo alcançado serviu-lhe não só para ganhar o seu escalão, também para ficar à frente do melhor V3 e, se compararmos com o escalão V2, apenas atrás do seu vencedor. Isto é, só batido por um atleta considerando apenas os dois escalões abaixo e o próprio. Impressionante!
Os meus amigos estiveram bem; o Victor Garcês (V3) fez uma prova certinha, a avaliar pelo tempo final. Faltam os tempos dos primeiros segmentos, mas analisando o registo do 3º, foi um segmento ao nível das Lezirias. É bom não estar em plena forma neste momento, meu amigo. O Paulinho e o "seu" Jorge cumpriram muito bem e estas participações permitem ganhar o calo que não foi ganho no ano transacto. Por isso, há que continuar. Claro que competir em bicicleta de estrada é muito diferente do TT e há que assimilar essas diferenças para se poder evoluir.

Acima de tudo, esta prova demonstrou que os triatletas não se deixam vencer por uma qualquer adversidade meteorológica e provaram, uma vez mais, a sua dedicação à modalidade. Também por este facto estão de parabéns.

Forte abraço!


4 comentários:

sica disse...

Reduzimos para 7 seg. a diferença em Grândola vamos esforçar-nos para passar para a frente na classificação.

Um abraço

Anónimo disse...

poderia-me dizer onde se encontram as fotos deste duatlo? um abraço

R. Reis disse...

Olá! É sempre um prazer seguir as historias dos outros atletas, principalmente quando são da mesma equipa! Abraços e espero ve-lo em breve pelas provas!

cumprimentos

Mark Velhote disse...

Olá João,

Que excelente reportagem. Gostei de ler e vou ter em consideração este seu magnífico espaço para quando estiver preparado para o primeiro triatlo.
Parabéns a todos os presentes dado que as condições não eram nada favoráveis.

1 abraço

MV