Ocorreu um erro neste dispositivo

Clássica da Primavera 2012: Que Fiasco!

08/04/12



Foto retirada do blogue do CDC Navais
Faz um ano que fui premiado pela primeira vez num evento desportivo na qualidade de atleta e veterano. Esse facto constituiu uma verdadeira surpresa para mim. Este ano a reinscrição não tinha em vista a repetição do êxito, mas isso não quer dizer que não gostasse de repetir a gracinha. No entanto, a realidade era outra e eu tenho dado provas a mim mesmo que nestes assuntos sou uma pessoa muito realista: o momento não é o melhor, uma constipação atrapalha o acto de respirar e o corpo anda meio entorpecido, se calhar ainda em resultado dos treinos com a motoenchada. Mas, acima de tudo a sensação de que isto ainda não rola como gostaria e ambiciono. Mas, vamos lá fazer a clássica porque é um evento muito giro e já desmistifiquei a ideia de que não tenho andamentos para aquela rapaziada. Vai-se até onde o corpo deixa e mais nada. 
O dia estava frio e isso dava algum desconforto. Havia que aquecer bem. Só que no secretariado era a confusão total: levantar o chip, pagar a inscrição, e isso vinha atrapalhar as contas. Eu então tive de tratar de tudo no lugar, por razões que agora não interessa, e lá aceitaram a inscrição na hora. Muitas caras conhecidas de Esposende mas também destas andanças velocipédicas. São sempre (quase) os mesmos e a gente vai-se habituando a encontrá-los nestas provas populares. De manhã haviam corrido os profissionais e esta prova da tarde tinha o extra de contar para o campeonato regional de veteranos e pareceu-me ter ouvido que apuraria os campeões distritais veteranos. Fosse como fosse, a concorrência seria feroz.
Ainda antes da partida fui fazendo umas marcações, para alguma eventualidade...ingénuo do caraças!! 
A partida deu-se com algum atraso, pelas razões já mencionadas e o primeiro obstáculo era mesmo a aragem fria, soprando de norte, exactamente no sentido em que circulávamos. A primeira volta seria em ritmo controlado pela organização, só que...de vez em quando os esticões faziam entender que o pelotão estava nervoso. A passagem pelo paralelo, onde no ano passado havia feito mossa e forte no meu andamento, lá estava novamente e para voltar a fazer mossa. A primeira volta parecia que nunca mais acabava, mas tudo tem um fim e a entrada na segunda volta não veio alterar por aí além o ritmo do pelotão. passou-se a circular a uma velocidade mais constante, isso sim, sem as travagens sucessivas que nos põem os nervos em franja. A mim, pelo menos. 
E chegámos ao paralelo e novamente fico para trás. Resultado: primeiro objectivo tinha acabado de ir à vida (andar com o pelotão até...). Ali vou, mesmo à mingua do pelotão, mas não consigo. Vem o alcatrão e procuro chegar-me próximo, mas estou só e o desgaste é muito. Olho para trás e vislumbro um companheiro. Meto o meu ritmo e ele há-de alcançar-me. Assim foi e os dois vamos à procura de mais colaboradores que se vão desgarrando do pelotão que já não se vislumbra, apenas nas rectas longas. E apanhamos um, dois...este segundo era um rival. Tinha-o marcado na partida e durante a primeira volta. Parecia-me ciclista, mas estava ali como eu. Pior: não ajudou népia. Conclusão, ia pior que eu. Sendo quatro, apenas três trabalhavam e à medida que o tempo ia passando e a estrada vencida, a colaboração ia melhorando, aponto de parecer-mos uma equipa, ou quase. Com naturalidade, aproximava-mos-nos de novos companheiros. Havia um grupo que integrava um amigo de Esposende, que fazia questão de alcançar. Mas, para esses ainda faltava. Talvez na subida decisiva ao Monte de São Félix, já na última volta a anteceder a chegada à meta. Entretanto...o paralelo. Antes, ainda faço um forcing para agarrar um companheiro que insistia em pedalar sem companhia, só que já estava a alcançá-lo quando entro no paralelo e ouço um pimmmmmm....Lá se foi o raio dum raio!! E acabou-se!
De forma que para mim, não para a organização e para o evento em si, foi um fiasco. Deslocar-me, pagar, procurar fazer uma semana de recuperação antes deste evento e lutar até ao fim para vender caro o 3º lugar alcançado no ano passado...custou-me ficar impedido de concluir a prova, vencer o desafio, alcançar o prazer final. Não é a primeira vez e confesso espero que não seja a última, que fique assim, com a menina nos braços. Será bom sinal. Mas, custa-me a paciência.

A organização continua a ter aspectos a melhorar e aquele curso pelo paralelo faz muitos danos. Logo na primeira passagem pude observar gente a encostar. A demora na logística das inscrições que antecede a prova não tem razão de ser, mas trata-se de uma prova popular e....Já na Galiza as coisas são diferentes, muito diferentes. Um problema como o meu teria solução, por exemplo. Mas, no cômputo geral, eu atribuo nota bastante positiva e não fosse o Zeferino nada disto existiria. Para o ano, se Deus quiser, cá estarei novamente. 

Companheiros, até breve e abraços triatléticos.


Sem comentários: