Folha on line

Loading...
Ocorreu um erro neste dispositivo

Vamos treinar: Sózinho?...Ou Acompanhado?

04/03/10



Falo sobretudo de ciclismo. Quando pedalo, treino muitas vezes, a esmagadora das vezes, aliás, sózinho. E não é por nada em especial, mas sim porque assim começou e assim continua. Depois, os horários que estabeleço para o cumprimento do meu plano de treino não têm em conta "com quem", mas sim "como" e "quando", isto é, o melhor momento para treinar, equacionado em função do descanso conseguido e também das tarefas profissionais realizadas ou a realizar. Depois, em estrada, lá me vou cruzando com este e com aquele, com um grupo aqui e acolá, e dá para perceber bem as diferenças em treinar sózinho ou acompanhado. Esta a razão deste meu artigo, afinal.
Da minha experiência, que está em grande medida em concordância com os conselhos de Ben Hewitt, profissional do pedal, tudo depende do momento da época, isto é, dos objectivos que estão estabelecidos para cada uma das fases de preparação. Li em qualquer lado que treinar acompanhado é convívio, treinar sózinho é terapia. Não sei se concordo. Percebo o alcance e sem dúvida que treinar em grupo comporta benefícios sociais evidentes. É bem agradável uma conversa divertida, ajuda a passar o tempo, torna o tempo dedicado ao treino em algo que se deseja repetir já amanhã, com o mesmo grupo e à mesma hora, se for possível; alivia o esforço, nem se sente, quando damos por ela, acabámos o treino, o que do ponto de vista psicofisiológico é excelente. Além disso, também proporciona eventuais meios de ajuda no caso de alguma coisa correr mal, especialmente quando o tempo de treino está programado para rodar mais de duas horas, situação que leva a que nos desloquemos muito para lá da nossa base logistica de apoio - a nossa casa (para uns), o nosso clube (para outros). Já sem falar no treino fora de estrada. Aí, é mesmo importante ter um grupo de treino. Eu cometo muito esse erro (de treinar sózinho), pelas razões que apresentei (tirando o fim de semana, não há mesmo ninguém com a mesma disponibilidade).
Acontece que também aqui se aplica a teoria da relatividade geral de Einstein; tudo depende dos objectivos definidos no plano. Isto é, se a pretensão é treinar em baixa intensidade, o melhor é mesmo sair só; porque em grupo as provocações são constantes, deseja-se rodar num nível consciente de cadência e há sempre alguém que explode aqui e ali, há sempre alguém que não gosta da calmaria e pode estar tudo estragado. Quantas vezes vos aconteceu partir em grupo e chegar sózinho?
É evidente que na situação em que o objectivo de um é o objectivo de todos, sem dúvida que defendo o treino em grupo porque todos estão irmanados nos mesmos princípios que se desejam para esse momento de preparação (zona de treino), mas se os planos são diversos, o melhor é mesmo só. Se o momento na preparação é de média e/ou alta intensidade, o treino em equipa/grupo será muito bem vindo. Desta parte tenho falta, porque sinto que treino com mais qualidade quando, em intensidade alta, há companhia, para além de se suportar melhor o desgaste provocado pelas consequências de um esforço desenvolvido no Limiar Anaeróbio, claramente beneficiando a componente  psicológica e sociológica do treino. 
A natação é claramente muito individualista, mas não é a mesma coisa treinar com alguém na pista ao lado ou na mesma pista, ou na barragem/rio em vez de só. Também aqui se aplicam os mesmos conselhos atrás referidos porque as razões são idênticas.
 Ao nível da corrida, é mais fácil treinar em grupo, independentemente dos objectivos para o treino naquele momento de preparação, porque é mais fácil adequar a cadência do treino do grupo ao individual, quando o importante é a baixa intensidade; já quando o propósito é trabalhar na zona 4 ou na zona 5, apesar dos desenvolvimentos serem muito individuais, o treino em grupo facilita, pelas razões que também já foram apontadas anteriormente, embora, e neste caso de forma inversa, seja importante que o grupo apresente o mesmo nível de performance, porque ao nível da corrida é mais difícil seguir quem tenha uma cadência mais elevada, contráriamente ao ciclismo.

Bons treinos!

3 comentários:

Triatlo da Maria disse...

"Além disso, também proporciona eventuais meios de ajuda no caso de alguma coisa correr mal, (...)"

Tendo em atenção os diversos casos de atropelamento, por vezes mortais, de que são vitimas os ciclistas/triatletas, sem dúvida prefiro os treinos de ciclismo em grupo, mesmo com as desvantagens que mencionou. É mais "visivel" e no caso de algo correr mal há sempre uma mão para nos dar ajuda.

João Correia disse...

Olá, Maria! Sem dúvida... A escolha dos trajectos também tem uma importância capital, dado que, por exemplo, para trabalhar em regime de alta intensidade é muito importante um lugar com determiandas caracteristicas de altimetria (dependendo também dos objectivos, claro) e baixa transitabilidade. Os trajectos longos também devem ser cuidadosamente escolhidos pelos riscos que comportam.

Obrigado pela visita.

Rafael disse...

Boa tarde...
Fiquei a saber deste blog por uma minha colega de enfermagem, talvez conheças, a Enf. Maria João!!!

Sem dúvida tens uma boa mostra de artigos bem interessantes.. Mas este despertou-me uma especial atenção!!

Eu tenho o mesmo dilema: Treinar Sozinho VS Acompanhado!! Tenho uns horários muito incinstantes e por vezes, os objectivos de treinos, nem sempre coincidem entre os mesmos elementos do grupo!!

Mas o Domingo é SAGRADO: temos uma saida sempre para o "monte", em o objectivo principal é o convivo, mas aliando uma forte componente fisica...

Já aprendi umas coisas novas, e com a tua autorização, gostaria de usar alguma da informação que forneces neste blog, para divulgar no meu blog (claro, se concordares!!) o RodaTorta (www.rodatorta.blogspot.com)

Um forte abraço...
E bons treinos:-)