Ocorreu um erro neste dispositivo

Sim? Quem é?...

17/12/10



Certo dia ouço tocar à campainha de minha casa. Estranhei, dada a hora tardia. Havia concretizado um treino de ciclismo há alguns minutos e, embora fizesse frio lá fora, agora encontrava-me confortavelmente instalado no meu sofá, deliciando-me com os calores que laboravam na lareira e de lá percorriam o espaço envolvente.
Ouço tocar à campainha. É pá, não vem nada a calhar, mas... Bom, vou ter mesmo de me levantar, pensei. Atendo. "Quem é?" Ninguém responde. Volto a perguntar, "quem me incomoda a esta hora?" Ouço uma resposta entre-cortada por um sorriso maroto: "sou a gripe!". " Vai chatear outro", respondo. E volto a resfacelar-me  no sofá. Mas, que raio! penso, chatear-me logo agora nesta altura. De imediato ouço bater à porta. Queres ver que..."QUEM É??", grunho. "Sou a gripe, querido". "olha lá, não tens mais nada que fazer? tipo voluntariado, passear macacos, contar póneis, sei lá...", sugiro. "Não tou para te aturar. Vai mas é dar uma curva ou duas. Olha, dá uma volta ao mundo e perde-te por lá." "És muito mau para mim", ouço do outro lado da porta. 
Enquanto ainda meio aparvalhado me dirijo para dentro, ouço um som esquisito na ranhura da porta. Apercebo-me que a filha da piiiiiii tenta desesperadamente entrar pela fechadura. Arranjo uma pastilha elástica. Rapidamente a mastigo e mais depressa a colo no lugar onde só a chave deveria entrar. 
Fico atento uns momentos a outras tentativas invasivas e repasso mentalmente todos os lugares eventuais por onde esta vernácula da treta pode violar o bem estar que se vive intra paredes. 
Após um período prolongado, acabo por me convencer que ela terá desistido. Muito bem! Vamos lá gozar o belo do sofá e juntamente o calor. 
Toca o telefone. 
Caramba! Hoje não é dia para estar sossegado. 
"Quem é?". "Sou a gripe!" Fosga-se!! "Olha pá, não fui já suficientemente claro contigo?" "Mas eu sei que tu precisas de mim..." "Perdão????". " É verdade." " Não sei onde aprendeste a usar o telefone, mas vou cortar-te o pio." E desligo, assim mesmo, tão à bruta como chateado estava. Ligo o PC para arejar ideias. Acedo à net. Não sei se por contágio, se por presságio, sinto a garganta a arranhar-me. Pigarreio para aliviar. Devolvo-me à net. Abro o TriatloMania, consulto outros blogues lá listados, mando uns bitaites nos comentários e vejo uma mensagem no canto inferior do meu PC: "querido, acabei de me juntar a ti. Finalmente juntos! Adoro-te." 
AAAAARRRRRRRRRRRRRGGGHHHHHHHHHHHHHHHH.


E vivemos ranhosos e fanhosos, e tossimos muito, e pigarreámos em uníssono, durante uns bons quinze dias.
Já na parte final desta forçada vivência conjunta, ouço novamente tocar à porta: "Mau! Quem será agora?". Atendo e do outro lado dizem-me; "Olá, sou uma indisposição do trato gástrico. Sou muito chatinha. Provoco febre interior, por vezes. Não está aí a minha prima?"

Sem comentários: