Ocorreu um erro neste dispositivo

Fim de Semana Sportivo Triatlo e Atletismo e Azares Clube!

13/09/10





Parece o nome de um clube qualquer, mas traduz de forma muito sintética um pouco do que se passou este fim de semana com a minha pessoa. Vamos pelo início sem ser pelo princípio.

Sábado estava prevista a minha participação no triatlo speedi gonzalez da Póvoa de Varzim. E não sei bem porquê tive duas sensações que me levaram a pensar se  de facto terá sido assim tão speedi. Primeiro, na natação a coisa embora tenha demorado para mim entre 5 e 6 minutos, fez-me sentir ...cansado, ou não sei explicar, mas não foi do tipo  sair da água e bora já montar na burra. Não! Foi mais do tipo, s-a-i-r  d-a  á-g-u-a procurar correr para a bicla. Depois sim, a bike foi rapidíssima, com uma média à volta dos 34kms/hra, e a corrida foi rápida, e onde já me senti mais solto. Afinal, apenas em Agosto recomecei a correr e começo a aproximar-me do meu nível, embora fraquito, onde tinha ficado em Agosto de 2009.
Mas o dia havia começado mal, não lhe quero chamar azar, antes contratempo. Ao dar à chave, a carrinha, comprada precisamente a pensar nestas coisas das provas e na necessidade de transportar as bicicletas, não funcionou. Eu já estava de sobreaviso, por duas razões; 1º porque há uma semana ela também me pregou essa partida, mas então a coisa resolveu-se e pensei que o problema estivesse sanado. 2º, porque na noite anterior, quando preparo a logistica e deixo já a bicicleta dentro da viatura para não mais me preocupar com o assunto, ela deu-me a entender que se calhar no dia seguinte, o da prova, talvez não estivesse muito na disposição de viajar até à Póvoa. Terra, diga-se em abono da verdade, nunca lhe fez algum mal. Humores...E pronto! Havia que desvalorizar e pegar no carro e encaixar lá a bicicleta, porque as pessoas e o restante é fácil. Em pleno ambiente da prova, até me esqueci que tinha uma viatura de costas voltadas para mim, lá em casa. O pessoal estava animado, muita gente a experimentar, alguns atletas a sério, por exemplo na natação, onde participou em estafetas um atleta olímpico, e eu que até apadrinhava a estreia de um jovem sub23, formação em natação, bom nadador e que gosta muito de correr e etc e tal. Ah! e daqui de Esposende. A teia parece começar a alargar-se, primeiro a aranha (eu) e agora um fiozinho tipo seda. Será? 
Como o segmento de natação foi indoor, havia que formar grupos. Pegando na experiência do ano transacto, a coisa funcionou bem , com tudo programadinho, os grupos formadinhos, com as horas determinadas e avisados, nós, que a hora era para cumprir. E assim foi. O grupo de veteranos encontrava-se especialmente animado. Bocas e mais bocas, serviu para atenuar alguma da ansiedade que ia tomando conta de nós. Fartei-me de rir com o Paulo Neves e com o Emanuel, este que a páginas tantas já deveria estar farto de me ouvir. Enquanto isso, os grupos iam iniciando as suas séries até que chegou a nossa vez. Aí, a pulsação acelerou um pouco mais. E continuaram as piadas. O Paulo Neves estreava o seu novo garmin. Eu brincava com ele, dizia-lhe que ele iria demorar uma eternidade para levantar aquele braço, tal era o volume do calhamaço. Mas, não. Afinal, ainda saiu primeiro que eu. Ora toma.
Lá chegámos ao ciclismo, onde optei por calçar os ténis e levar na bicla pedais com ganchos, para não perder tempo na última transição. O curso a pedalar era muito curto (pouco mais de 8kms). No final, acho que sim, que no meu caso resultou, já que não tendo sapatos de ciclismo ou triatlo, acabei por calçar apenas uma vez uns sapatos. Voltando ao ciclismo, andei sempre sózinho. Ninguém me passou, tendo passado alguns e que não conseguiram acompanhar-me. Procurei alcançar o duo PauloNeves/João Paulo Ferreira(V2), mas não consegui. Eles que estavam logo ali, mas a uma distância suficiente para se manterem sempre afastados; na natação, no ciclismo e na corrida. E quando dei por ela, acabou-se. A corrida foi interessante. Não queria ser alcançado e meti prego forte. E lá continuei sozinho. Sempre. Atrás vinham o Vasco (CVP) e o José Silva (S. Mamede). Também não conseguiram alcançar-me.
No final, acabei cansado. Recuperei rápido, é verdade, mas sendo uma prova muito explosiva, é mais apropriada para os putos novos. A entrega dos prémios contou com a presença da Vanessa Fernandes. O sub23 Tiago Maia venceu, com classe, à frente dos séniores Paulo Adão, que eu viria a reencontrar no domingo, na corrida de Matosinhos, e Paulo Gonçalves. Por equipas brilhou o galitos, cuja boa disposição foi contagiante.

Relativamente à organização tenho duas observações importantes a referir: a 1ª tem a ver com o trajecto a pé na piscina e que tinha de ser feito antes de voltar a entrar na água. Deveria estar totalmente coberto com alcatifa ou outro material qualquer porque não foi nada fácil manter o equilíbrio naquele chão traiçoeiro. A bem dizer, aquilo não foi posto para ser corrido, daí a minha observação. A 2ª, deveria ter-se retirado as lombas na estrada. Pois, é que a passagem com a bicicleta naquelas lombas faz mossa e eu que o diga, pois quando ao fim do dia de sábado saí para realizar um treino de duas horas, à passagem dos 15 kms vi partir-se um raio na roda traseira que me lixou um dia que tinha começado menos bem e acabava pior. Lembrei-me logo das lombas, claro. No geral, a organização esteve muito bem, mas bastam estes dois aspectos para poderem estragar tudo, dado o seu relevo. As classificações ainda estão por acertar, pois falta muita gente na tabela.

Domingo, com um excepcional sol e temperatura, foi dia de participar na corrida organizada pela runporto, corrida do Homem e da Mulher, e sentir a satisfação de regressar às provas de atletismo, embora esta seja uma espécie de meia prova, pois o seu carácter era mais altruísta e solidário que propriamente competitivo. Em todo o caso, foi com imenso prazer que revesti a camisola do CLUVE, cujo clube me orgulho de representar neste tipo de eventos. Secretamente tenho perseguido a ideia de participar na Maratona do Porto. Antes, terei de concretizar a Meia SportZone e depois sim, farei o balanço e decidirei. A prova de hoje trouxe-me a alegria de não ter tido problemas, primeiro que tudo, e de correr os quase 6 kms a 4'07''/km. O que me quer dizer ser atingível o objectivo de baixar os 4'/km. Haja saúde.
Preciso de dizer que gostei da organização do evento, embora aparentemente não colocasse problemas de maior. E gostei muito de verificar que cada vez mais há uma forte adesão a estes chamamentos, o que é bom, muito bom, aliás. Vi gente de todas as idades, de pelos menos duas orientações sexuais, sorridentes, boa disposição, que tanta falta faz nestes dias cinzentos que atravessamos.

Agora, aproxima-se Setúbal e o meu primeiro triatlo Olímpico. Mais ansiedade.

Abraços triatleticos, companheiros, e uma excelente semana.

2 comentários:

sica disse...

João, Setúbal é uma prova exigente e será sem dúvida um bom desafio como primeiro Olimpico.
Natação num mar que o ano passado estava bem picado, ciclismo embora plano com algumas viragens a 90º e empedrado que em caso de chuva se torna complicado e uma corrida onde se sooobe, desce e pelo meio rola-se um pouco.
Uma prova em que chegando fresco ao último segmento se conseguem ganhar algumas posições.

João Correia disse...

Bom, antes do mais obrigado pelo aviso.É de amigo. Espero que a minha actual motivação mova essa "montanha". Sobre o chegar fresco, era bom, sim sr. Mas, estou numa de concluir um desafio e claro, finalmente trocar umas palavras com quem nunca o fiz, como é teu caso, por ex.
Grande abraço, companheiro.