Ocorreu um erro neste dispositivo

Reflexão XI

06/03/12




Já há algum tempo que não nada. Falta-me assunto. Ou falta-me interesse. Ou falta-me ainda outra coisa qualquer que me leve a escrever. O facto é que desde que me encontro na blogosfera algumas temáticas me parecem hoje por hoje inúteis. Já não sinto necessidade de escrever sobre eventos onde não estou presente. Perdi o interesse. A federação faz muito bem essa cobertura e com a razão do facto de estar in loco, em cima do acontecimento. Portanto, já não vejo necessidade de opinar sobre algo que outros, autorizados, o fazem melhor que eu. Eu sei que há sempre lugar para a perspectiva pessoal, mas ...entendem-me?
Por outro lado, não vejo igualmente necessidade de escrevinhar sobre a metodologia do treino, excepto quando se justificar. Na verdade, e apesar de ser uma área da minha especialidade profissional, há tanto assunto por esses lados todos que não viria acrescentar mais nada ou por outras palavras, algo de significado.
Referir novidades ou dar voz a acontecimentos, continuarei a fazê-lo. Mas, tal não acontece todos os dias.
Resta-me então falar sobre mim, exercitando o narcisismo que reside em todos nós, mais nuns que noutros.  Não foi de todo esse o propósito quando me iniciei neste espaço. Na altura fazia para mim sentido abordar várias temáticas. A verdade é que o mundo está a mudar muito rápido e também neste aspecto sinto que em apenas dois anos muita coisa se alterou: há mais informação, especialmente nos espaços especializados; por outro lado, as novidades já estão gastas ou vão-se gastando.
Como dizia, resta-me pouco mais que falar de mim. Só que...eu sou aquela desgraça. E continua tudo como dantes. O mesmo é dizer...sem correr. E não havendo provas, não há novidades. Vai-me valendo o BTT que nesta altura do ano domina os eventos do pedal. Pois...sobre este assunto, já reflecti muito, mas a conclusão é sempre a mesma: primeiro pensa-se em desistir e mandar tudo às urtigas. Mas, o vício está entranhado de tal maneira que volta-se sempre...à piscina, à estrada, aos passadiços, na esperança de boa fortuna. E assim cá andamos, a acreditar que novos ventos soprem.
É verdade: o triatlo de VR Stº António já era. Vai ter de ficar para o ano. Por isso, espero que a prova seja um êxito, para no próximo ano poder estar presente. O resto será sempre um dia de cada vez.

Companheiros, até breve e abraços triatléticos.



4 comentários:

david caldeirao disse...

desistir??? essa palavra não consta do dicionário de um triatleta ;)
podes refletir..., falar do que te apetece..., ou "olhar" só para o teu umbigo..., que nós deixamos!!! falo por mim, o que gosto mesmo é de "ver" que o pessoal está bem a treinar e animado para fazer provas... :)
já não vens ao Algarve? paciencia, oportunidades não vão faltar ;)
forte abraço

Pedro Reis disse...

Partilhar uma experiência ou um simples estado de espírito é muito mais do que falarmos de nós. É permitir a outros perceberem que as suas dificuldades, motivações e desafios são também as de outros que até conseguem feitos notáveis. Pode, por vezes, ser muito mais útil do que um relato de acontecimentos ou o expressar de uma opinião.
Obrigado.
Pedro Reis
http://pedroreistriatlo.blogspot.com

João Correia disse...

Pois, David, nem imaginas as vezes que me passa pela cabeça saltar fora sempre que parecendo que está tudo bem, corro e...não dá. Só que o triatlo não me deixa desistir. :)) tal o "entranhamento". Forte abraço, companheiro.

João Correia disse...

Pedro, eu é que te agradeço. Obrigado! Forte abraço, companheiro.