Ocorreu um erro neste dispositivo

Diferenças...

03/04/10



 Encontro-me em Lisboa, minha terra natal. Claro, trago as "minhas meninas" comigo (bicicletas), mais a tralha restante para treinar, e ainda o espírito disciplinado do treino. Por isso, resolvi escrever sobre esta minha experiência que foi nadar na piscina olímpica do Jamor. Simplesmente espectacular! Não tem nada a ver. A piscina onde normalmente treino é um equipamento virado para o lazer familiar. Esposende assim quis apostar e não tenho nada contra, até porque em termos comerciais o resultado dá-lhe toda a razão. Mas, hoje senti uma grande diferença a vários níveis e de que resulta uma evolução ao nível do preparo de um atleta para a competição, em vários parâmetros; fisiológico, psicológico e social
A primeira grande diferença foi o ritmo do nado; em Esposende ficam muito admirados por haver alguém a nadar mais de quinze minutos consecutivos. Pois! A segunda grande diferença é que não me sinto um alienígena; praticamente toda a gente que estava dentro de água usava palas ou barbatanas. Em Esposende se apareço com palas e/ou barbatanas sou um ser de um outro sistema solar qualquer. A terceira diferença tem a ver com as distâncias entre cada viragem. Em Esposende, tenho algumas vezes de nadar em distâncias de 12,5m, porque não há pistas e há muita gente a boiar livremente dentro d'água, em pacote familiar ou em modo avulso. A temperatura da água também é diferente, mas isso não me afecta; assim como o preço (quase €7, entrada avulso), terrível!! ainda falam em democratizar o desporto, dizem que é para todos. Em Esposende não é tão caro, mas também não é barato (quase €5 a entrada avulso). Em Esposende tenho a opção do rio Cávado, quando de feição (temperatura e agitação), para o treino em águas abertas. Em Oeiras, tenho mesmo a praia de Oeiras, também se de feição. Há outras diferenças; em Esposende tenho piscina exterior (45m), tenho jacuzzi, tenho jacto de água, mas as referidas são as mais significativas.






Conclusão: adorei treinar na piscina olímpica  do Jamor. As quebras no ritmo são menores porque menos viragens, os estímulos para treinar são mais efectivos, porque há gente a treinar e a treinar de modo empenhado.  No momento em que dei entrada nas instalações, cruzei-me com o pessoal do "Triatlo de Almada", algumas caras conhecidas, um olá aqui, outro acoli e cada um foi à sua vida.

Para acabar em beleza, treino de BTT pelo monte do Jamor, adjacente à piscina, revendo os trilhos do duatlo do Jamor, por vezes deparando-me com a bela paisagem que o atlântico nos oferece, outras vezes vislumbrando os equipamentos desportivos do complexo desportivo, lá em baixo e, claro, o Estádio Nacional Não dá para treinar muitas vezes nos trilhos que o Jamor oferece, pelo menos para mim, devido ao carácter repetitivo a que nos obriga, mas de vez em quando e em jeito de revisão, sabe muito bem, como me soube hoje. Por isso vos aconselho, quando puderem.

Bom fim de semana.

Sem comentários: