Ocorreu um erro neste dispositivo

Maratona BTT Luso Galaico 2010: Balanço.

27/04/10



Pois é! Foi uma maratona do caraças! Muito técnica, muito rápida no início, e muito, muito complicada a partir do momento em que as pernas já não estavam tão viradas para aquele lado, aí por volta dos 68 kms, quando os restantes (!) 14 seriam ainda com muita subida, dura e técnica, porque raizes e calhaus havia com fartura, e jeitosos(as) que eles(as) eram. 
Mas foi uma excelente prova em termos organizativos, com um abastecimento completo e sem faltas, nos tempos certos, com a partida no tempo determinado, a fazer jus à fama granjeada nestas oito edições da prova. Pena que de Luso Galaico só praticamente o nome. Mas, haveria espaço, entre os mais de 2000 participantes, para os galegos? Sim, porque foi a pensar neles que foi criada com essa designação. 
O momento alto da prova foi a travessia do rio Cávado, através de uma ponte artificial construída sobre embarcações de canoagem, concebida pelo amigo Belmiro, ex-atleta olímpico na modalidade, e que mais uma vez decidiu colaborar com a organização. A entrada e saída da mesma estava apinhada literalmente das gentes da Barca do Lago, Gemeses e outros lugares, certamente, e não foi a primeira vez que me senti um verdadeiro ciclista numa prova; a primeira havia sido no ano passado, quando dobrava, pela força das minhas pernas e da minha vontade, as encostas do monte São Félix nas várias voltas a que fomos "obrigados"  a fazer, num circuito de estrada. A segunda vez foi este ano e em vários locais da prova, mesmo quando passei paredes meias com a minha casa , já com quase 5hras de prova. Mas a saída da ponte artificial, com uma ligeira subida, completamente ladeada dum lado e do outro por povo, do qual só vislumbrava o gesticular dos braços, as expressões difusas e o som das palmas, muitas e imensas palmas. Senti-me um verdadeiro ciclista, daqueles que sobem uma montanha da volta a França, perdoem-me o exagero. 
O momento baixo da prova foi mesmo nas ...subidas, nas últimas subidas. A vontade queria, mas a força puxava-a no sentido contrário, a ponto de me ser mais difícil andar com a bike pela mão do que em cima dela, mesmo quando subia. O problema é que não conseguia manter-me em cima da "burra" quando o guiador se deixava comandar mais pelo traçado do que pela firmeza dos meus braços. Ah! e as quedas, duas, uma delas durinha, porque foi em paralelo. Mas não foram umas escoriações na perna esquerda e uma valente nódoa negra na almofada da mão do mesmo lado que me fizeram repensar a continuidade; as pernas mexiam? tás pronto para continuar, toca a mexer.
O momento mais ou menos; as muitas e variadas e difíceis e técnicas e longas descidas! Cum catano, aquilo é que foi. Os braços sofrem uma tensão imensa, mas não se pode inverter a coisa, porque a inclinação do trilho simplesmente não permite, nem as rodas param. Aliás, parar é o mesmo que tralhar, e de cabeça e tudo. Não dá, há que aguentar, braços firmes, olhar atento na escolha dos melhores trilhos, quando há ( e o cansaço já instalado avisa-nos para ter cautela), porque em muitos momentos é só mesmo aquele, e quando não é aquele passa a ser, por cima de pedras que não eram para ser passadas, por regos escavados pela força das águas que não eram para ser sulcados. Enfim! muita adrenalina, com fases de puro prazer. Há momentos loucos, loucos. 
À chegada, ao cabo de 5h04', ainda havia, imaginem, gente a aplaudir, debruçada nas grades delimitadoras, valorizando o esforço de todos os que iam concluindo a dura tarefa, os que acabavam a maratona, mais os que ainda iam chegando da meia-maratona. E lá estava também a minha cara metade (sempre ela), de máquina em punho, para apanhar aqueles momentos únicos, como a  consumação de um objectivo cumprido, umas vezes melhor, outras pior, mas cumprido.

Resultado final: Satisfeito, muito razoavelmente satisfeito em termos competitivos
 (Geral= 130º - melhor um lugar que em 2009; Escalão= 32º (pior 10 lugares que em 2009)

Deixo-vos  algumas fotos relativas aos momentos da partida e da chegada, fotos minhas e do amigo Rafael, que fez um tempo canhão!  




2 comentários:

Rafael disse...

Mais uma vez, um eexcelente comentário!!
E muito obrigado pelo elogio... Mas acho que tu é que foste um verdadeiro CAMPEÃO!! Depois de uma lesão, recuperar e já não sendo um jovem de 20 anos, fazer uma maratona tão dura e ainda assim mostrar a muitos "meninos" o que é rodar!!!

Muitos parabéns!!!
Abraço:-)

João Correia disse...

Pois,
Isto é o que faz publicar fotos dos amigos...ficam eternamente gratos :)))
Grande abraço, Rafael.