Ocorreu um erro neste dispositivo

Final do Campeonato Nacional Individual de Triatlo!

03/10/11




Com a finalíssima do Campeonato Nacional Individual de Triatlo chega ao fim a época dos triatlos, passe a redundância. Os títulos, especialmente os de maioridade, isto é, os intitulados Absolutos, estão entregues e bem entregues, disso parece não haver dúvidas, dada a regularidade e as prestações dos recentes campeões nacionais no conjunto das suas prestações. O curioso é que dos 6 primeiros classificados somando os dois setores, apenas um atleta é sénior. Todos os restantes são do escalão sub23. Considero estes promissores indicadores.
Se no setor feminino a hegemonia revelada pela campeã Anais Moniz não oferecia contestação, dada a sua supremacia, também reveladora do seu empenho e da sua aposta para o corrente ano, ao contrário da sua maior rival nacional este ano, Maria Areosa, que preteriu claramente esta competição,  já no setor masculino e a despeito de não sofrer qualquer contestação, reforço esta ideia, o título Nacional Absoluto alcançado por Pedro Palma, cujo valor é inquestionável, como provam alguns dos títulos alcançados a nível internacional, deixa alguma margem de dúvida de como seriam as coisas se João Silva, João Pereira, Bruno Pais e Duarte Marques estivessem totalmente disponíveis para esta competição. Mais; como teria sido esta competição se todos estes pudessem estar na disputa do título? Lamentável será que uma competição de tão grande significado, a competição mais importante do panorama nacional da modalidade, não possa ou não consiga reunir a nata dos atletas de topo. Questões de calendário internacional e respetivas incompatibilidades com o calendário interno? E não se pode dar a volta a isso?Tempos houve em que Bruno Pais, na altura imbatível nas provas nacionais, fez questão em fazer desta competição um marco no seu rico currículo desportivo. Pode um atleta seja ele qual for prescindir ou relegar para segundo plano um título desta natureza? Ser-lhe-á indiferente ser Campeão Nacional ou não o ser? 

A outro nível, também me parece que seria incomparavelmente mais justo que paralelamente à atribuição dos títulos nacionais absolutos também se pudessem atribuir os títulos de campeões nacionais por grupos de idade. A eleição de um único evento para definição destes títulos, como tem acontecido na bela cidade de Peniche,  parece-me demasiado curto e sujeito a imponderáveis a que todos os atletas estarão sujeitos e por via disso fruto de alguma casualidade. A constituição de um conjunto de provas pontuáveis para a atribuição dos diferentes títulos das diferentes idades ou aproveitando o calendário do Campeonato Nacional Individual é algo que eu defenderia pela sua maior seriedade e verdade. Mais; que a disputa das diferentes provas pudesse ser equitativamente distribuída pelo território nacional também me parecia de toda a justiça. 

Abraços triatléticos, companheiros.

3 comentários:

sica disse...

João levantas 3 questões muito pertinentes mas de dificil resolução, a compatibilidade entre calendário nacional e internacional, provavelmente seria possivel mas vejo 2 problemas primeiro a necessidade de focalização num único objectivo para se conguirem resultados tamanho é o nivel competitivo das provas de Campeonato e Taça do Mundo, pelo que os atletas que referiste que são de facto a nata da nossa modalidade tenha que prescindir desta competição, por outro lado programar todo o calendário nacional de forma a que estes atletas possam participar no Campeonato nacional também não me parece o mais correcto.
Em relação à atribuição dos titulos de age-group em várias provas ou com base num ranking de pontos realmente parece-me mais justo.
Em relação à distribuição geográfica das provas vamos ver o que nos reserva 2012 mas atendendo à realidade económica do País não será fácil.

João Correia disse...

Obrigado pelo teu contributo, Sica! Sobre o "outro" assunto (verde), ainda é cedo para morder a língua, mas...se tiver de dar o braço, dá-lo-ei de bom grado. :))

Forte abraço, companheiro.

david caldeirao disse...

nestes assuntos existem sempre várias visões..., e ainda bem pois nada é perfeito!!! às vezes fico a pensar como os espenhois conseguem ter campeões, participantes, provas nacionais FETRI, provas regionais, provas fora da alçada da federação..., ok!ok! eles são muitos mais e tem as regiões e tem dirigentes na ITU!!!
já várias vezes defendi a realização de uma grande final nacional, com ou sem provas de qualificação(devido ao nosso nº reduzido), onde estariam reunidos os elites, os ag, os juniores, os juvenis as escolas..., enfim um verdadeiro f/s da familia do triatlo!!! ops..., mas isso é o que fazem em espanha ;-)
em relação às provas..., prevejo um ano muito complicado, não há € não há vicios, em ano olimpico e com a FTP concentrada nos JO, não espero grandes mudanças, vai sair um 1º calendário com muitas intenções(provas) que vão caindo ao longo do ano..., para acabar por se realizar as mais carismáticas!!!
p.s. não me digas que tambem vais vestir de azul... :-P